PAPO DE TERÇA - Admirável futuro novo. Por Nathália Corrêa.

Share Button

Você já deve ter visto, diversas vezes, o termo ‘novo normal’ nos últimos meses, né? Esse termo pode ser considerado relativo, pois o ‘normal’ é um comportamento que varia de empresa para empresa, mas, é certo que haverá mudança nos modelos organizacionais após esse período de isolamento social. E a comunicação será a principal impactada pelo uso de novas plataformas digitais.

Na faculdade, eu tive um mestre que dizia o seguinte ‘só o temor, constrói’. Confesso que, na época, não me agradava muito essa frase. Porém, trazendo para o contexto atual, são nesses momentos de crise que nos vemos obrigados a criar novos mecanismos de sobrevivência.

O mundo foi pego de surpresa e a lei do improviso entrou em ação, com muitas organizações criando novas estratégias para manterem as atividades dos seus negócios, migrando repentinamente do offline para o online e o marketing digital se fazendo ainda mais necessário. Veja alguns exemplos aqui.

Tudo isso traz também mudanças significativas nas formas de consumo, e na relação das pessoas com as marcas. Essas mudanças irão moldar o ‘novo’ futuro. Por isso, é imprescindível estar preparado para compreender e atender os desejos dessa sociedade hiperconectada.

Não tem como prever como serão os dias ou os anos seguintes (apesar de surgirem alguns palpites por aí). Mas, não há dúvidas de que algumas atitudes podem agregar mais valor ao seu negócio e serem  primordiais. A começar pela reestruturação, da interna para externa, como:

1.Reorganização
Analisar e repensar o dia a dia de trabalho é um passo importante para criar uma rotina ou estabelecer dias/horários fixos para reuniões importantes, deadlines para departamentos ou um meio de compartilhar relatório de resultados com toda a equipe. É essencial, antes de tomar qualquer iniciativa, consultar os colaboradores para garantir que não irá afetar a produtividade da equipe e para fazer com que sintam-se envolvidos no processo de decisão dos procedimentos da empresa.

2.Mindset tecnológico
Acredite se quiser, mas, algumas empresas ainda guardam seus arquivos em um servidor, sem o suporte das nuvens que permitem o acesso remoto. A crise veio como um banho de água fria para que esses gestores despertem e comecem a explorar as inúmeras ferramentas tecnológicas disponíveis para essa finalidade.
Além das nuvens, são diversas as plataformas para a gestão de atividades internas das empresas e acompanhamento do fluxo de jobs, permitindo o acesso de qualquer lugar, sem estresse.

3.Propósito
É comum as pessoas confundirem essa parte aqui com ‘missão, visão e valores’. Sim, há diferenças. A missão é uma espécie de descrição do seu negócio, a visão faz uma previsão de onde pretende estar daqui a alguns anos e os valores, retratam um pouco da cultura da empresa. E o propósito? É aquele sentimento que te faz ter orgulho do seu trabalho, o motivo pelo qual você levanta cedo todos os dias (ok, não estamos falando de salário) e o impacto que o seu trabalho gera. Isso deve ser compartilhado com toda a equipe para que caminhem na mesma direção.

4.Flexibilidade
Se o propósito fica claro para todos os colaboradores, as chances de erro na execução das atividades diárias também diminui, pois todos entendem o impacto final que uma tarefa deve atingir. Dessa maneira, não há a necessidade de manter toda equipe sob os olhos da diretoria. O momento atual mostra como a dependência entre ‘chefe’ e ‘equipe’ está cada vez mais fadada ao fracasso. É preciso uma liderança que saiba conduzir. Assim, é possível adotar a flexibilidade do local de trabalho, dando possibilidade de escolha, gerando colaboradores mais felizes e comprometidos com a empresa.

5.Lideranças horizontais
Uma mudança de cultura permite a criação de um modelo horizontal, cada vez mais discutido, atualmente, em que todas as pessoas participam das decisões. Modelos centralizadores impedem a inovação, criatividade e crescimento das empresas, além de desmotivar a equipe. Definir pequenas lideranças é, também, uma maneira de delegar tarefas e promover o desenvolvimento de todos.

A criação de novas relações de trabalho já eram traçadas por muitos empreendedores e adotadas por algumas empresas, antes da pandemia. No atual momento, a discussão dessas pautas não pode mais ser adiada. E, acredito que esse ‘novo’ mundo que está pela frente, exigirá que as empresas construam valores junto com os colaboradores e evoluam, com criatividade, no mundo do trabalho. Tiago Mattos, futurista da empresa Aerolito, comentou em uma entrevista recente sobre os aprendizados pós-quarentena e o auto-questionamento que muitas equipes precisam ter. ‘Eu, na posição que estou, faço algo relevante para o mundo? Minha empresa, na posição que está, faz algo relevante para o mundo? A vulgarização do termo propósito trouxe um senso de urgência de se assumir uma missão que vá além da própria organização’.

Como você desenha a sua empresa ou o seu emprego nesse admirável futuro novo?

Imagem: Drew Graham por Unsplash

Nathália Corrêa é bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tem MBA em Marketing Digital. Atua na gerência de marketing e mídias sociais.