A comunicação é um dos pilares da gestão de crise. Por Elaine Sampaio.

Share Button

O mercado de vestuários, os serviços de embelezamento, os bares, os restaurantes e o turismo são os primeiros a sofrerem o impacto das ruas vazias. É quando a economia despenca e o desemprego só aumenta. Algumas empresas declaram falência e não chegam nem a pagar a indenização dos seus ex-funcionários. Isto posto, a população fica mais pobre. E quem tem algum dinheiro guarda, para prover o alimento de amanhã, quem não tem, aguarda por uma doação. A economia se torna recessiva e nos obriga a desembolsar somente com as despesas essenciais à nossa sobrevivência.

E o comerciante que sobreviveu ainda persiste em vender sapatos…

Ele vai vender! Mas quando tudo passar e a economia estiver retomando o fôlego. Isto não que dizer que ele não tenha mais nada para fazer. É a hora de se trabalhar dobrado, porque agora ele deve estar próximo ao seu cliente. Não deixar que o esqueçam só porque não estão podendo comprar sapatos!

Encontre os seus clientes nas redes sociais, fale com eles por WhatsApp, contacte-os por telefone, use uma forma que irá te aproximar mais deles. E não lhes ofereça sapatos! Porque quando ele precisar do seu produto, você vai estar ali ao lado.

Finalmente, eu pergunto para você o que você já fez hoje para o seu cliente? Não se esqueça de que ele não precisa neste momento do que você está acostumado a vender! Identifique o que a sua marca pode fazer para amenizar os impactos sociais na sua região durante a crise financeira. Você já pensou que o seu cliente pode se engajar em uma causa social junto com a sua marca? Por exemplo, você pode fazer uma campanha na qual um percentual de sua venda seja revertida para obras sociais. Quem sabe o seu cliente apoie esta ideia! Posicione a sua marca agora porque, quando tudo passar, o seu cliente e o mercado irão saber aonde te encontrar.

Imagem – LINK

Elaine Sampaio é consultora e palestrante | elaineterceirosetor@gmail.com