Prefeitos(as): não cortem a comunicação. Por André Zenobini.

Share Button

O ano de 2021 marca o início de um novo ciclo para os prefeitos(as) do Brasil inteiro. Independente se eleito(a) ou reeleito(a), o(a) titular de todas as prefeituras estão passando por ajustes para cumprir os próximos quatro anos. Nesse cenário, a comunicação torna-se cada vez mais essencial. O fazer comunicação cada vez é mais necessário ao serviço público e fazer com competência é imprescindível.

Sei que muitos esperam dos prefeitos redução de gastos e controle da máquina pública. E isso é aceitável e necessário. Contudo, muitos gestores para diminuírem o tamanho de suas máquinas cortam, principalmente, os cargos em comunicação. Eliminam as secretarias específicas desse tema e desvalorizam o setor. Um erro enorme, principalmente, nesse momento em que a comunicação pública deve ser ainda mais valorizada.

As Secretarias de Comunicação são setores cada vez mais importantes. Não só pelo atendimento à imprensa, mas, também, pela produção de conteúdo que pode – e deve – auxiliar na vida das pessoas. A comunicação de uma prefeitura não pode ser restringida ao dia a dia do prefeito(a). Ela deve participar da vida da comunidade. As prefeituras são o principal canal de comunicação de muitas cidades brasileiras, que contam com pouca cobertura de veículos de mídia.

O ambiente da assessoria de imprensa de uma Prefeitura cresceu e hoje, algumas já contam com setores de televisão, rádio e mídias sociais. Manter essas estruturas deve ser obrigação dos gestores públicos, bem como, garantir que profissionais qualificados, diplomados e capacitados cumpram com suas funções. Além disso, gerar conteúdo informativo sério e qualificado – principalmente em meio a uma pandemia – é dever desses setores.

Nos últimos 20 anos muito mudou no cenário da comunicação das Prefeituras. Foram muitas que avançaram e de certa forma conseguiram garantir até um certo grau de autonomia e independência – principalmente realizando concursos públicos. Os comunicadores desse setor precisam estar cada dia mais ligados às novas técnicas de comunicação e ambientados para um mundo cada vez mais tecnológico e multiplataforma.

Portanto, nesse momento em que as reformulações são feitas, pedimos aos gestores que valorizem os profissionais da comunicação. Mantenham as estruturas e equipes e, principalmente, garantam a autonomia necessária ao bom trabalho dos profissionais. Sem contar, um último pedido aos agentes públicos, sejam transparentes. Vocês são servidores públicos que devem sim explicações sobre cada um dos seus atos para a comunidade.

André Zenobini é jornalista, Delegado da Cidade do Rio Grande do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul.