'Tudo que move é sagrado'... ou... tudo que é sagrado (também) se move.

Share Button

Deu ontem no Meio & Mensagem, na matéria de Luiz Gustavo Pacete:

Coca-Cola Company redesenha marca institucional. Companhia deixa de exibir o logo de sua principal bebida em outros produtos e cria uma nova identidade visual focada em diversificação.

LINK – http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2018/12/10/the-coca-cola-company-redesenha-marca-de-portfolio-embargo.html?adtagid=@COOKID&utm_term=Coca-Cola+Company+redesenha+marca+institucional&utm_campaign=Meio+%26+Mensagem+News&utm_source=e-goi&utm_medium=email

COMENTÁRIO

Não é de hoje, aliás há mais de um século, que o mercado se pergunta:

– Como diferenciar Coca-Cola produto de Coca-Cola empresa?

No meio publicitário a distinção vem de longe. Fomos, no Brasil, catequizados a saber que a ‘Coca-Cola Indústrias’ (curiosamente, empresa sem uma fábrica sequer) era a denominação da ‘sede’ da empresa proprietária da marca e da secretíssima fórmula do xarope que dá sabor ao refrigerante mais consumido do mundo. ‘Ali, na Praia de Botafogo’, no Rio de Janeiro. E as fábricas de Coca-Cola, espalhadas pelo Brasil inteiro, o que seriam? De novo, na linguagem catequista da ‘matriz’, estas seriam meras franqueadas para a produção do refrigerante.

Bombardeada pela concorrência e pelos nutrólogos mundo afora (pelo teor de açúcar absolutamente nocivo à saúde), a bicentenária companhia dedicou-se a aquisições e a formulações mais ‘saudáveis’. Esses movimentos, por exemplo, levaram-na à aquisição do antes brasileiríssimo Matte Leão (rival ferrenho da Coca nas praias cariocas) e ao lançamento de sucessivas versões dietéticas do refrigerante: Coca Light, Diet Coke e Coca-Cola Zero.

Agora isto. Pegará? A ver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *