PAPO DE TERÇA - Por que escrevemos? Por Nathália Corrêa.

Share Button

Um jornalista poderia responder que é para narrar os fatos do cotidiano, um escritor definir como uma fuga da realidade, e um poeta, para torná-la mais doce e suportável.

O processo criativo em torno da palavra escrita é algo que me encanta. Muitos acreditam que funciona como mágica. De repente, você tem o que precisa na ponta do lápis. Mas o caminho é longo! Começa pela inspiração, passa pelos primeiros rascunhos até a palavra final. Esse texto que crio agora, por exemplo, foi inspirado em uma leitura. Fechei o ano de 2019 com ‘Devoção’, a recente obra da autora Patti Smith. O livro é um convite para entender como se dá esse processo da escrita. Entre muitas abordagens, a autora levanta o seguinte questionamento:

– Por que alguém se sente compelido a escrever? A se envolver num casulo, no êxtase de sua solidão, malgrado as necessidades dos outros?

Virginia Woolf tinha seu quarto, Proust suas venezianas fechadas. Marguerite Duras, sua casa calada. Dylan Thomas, seu modesto casebre. Todos em busca de um vazio que pudessem encher de palavras. ‘Palavras que irão adentrar um território virgem, arrombar cofres que ninguém veio abrir, articular o infinito’. Esse trecho me lembrou um episódio em que senti a necessidade de me isolar, em um café do Rio de Janeiro. Era uma tarde de domingo, tinha um compromisso com amigos e desmarquei pelo simples desejo da introspecção, na companhia apenas de uma xícara de espresso, um caderno de bolso e uma caneta. E é assim, a partir desse isolamento que viajo no meu vazio, em busca das palavras certas para me preencher.

Às vezes, escrevemos com um objetivo. Como um publicitário que cria um slogan para vender determinado produto. Outras vezes, não sabemos onde vamos chegar e apenas tentamos dar significado ao que pensamos, transcrevendo sentimentos para o papel. Assim como a vida se faz do equilíbrio entre obrigação e lazer, escrever também é, ao mesmo tempo, um compromisso com o mundo e uma fuga do mesmo mundo! P’ra onde você foge quando escreve?

Imagem: Nathália Corrêa.

Nathália Corrêa é bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tem MBA em Marketing Digital. Atua na gerência de marketing e mídias sociais.