Pé no freio ou pé na tábua? Por Vera Lucia Rodrigues.

Share Button

Ao final de uma corrida em Mônaco, na qual ocorreu um acidente grave, um piloto pergunta ao ganhador se ele não tinha visto o tal acidente, já que ele tinha chegado bem à frente dos demais.

O piloto responde que sim, que tinha visto. ‘Mas eu sei que, quando acontece um acidente como este, todos ficam assustados e desaceleram… mas eu aproveito para acelerar e ganhar’, completa.

A cena é de um filme (antigo) sobre a Fórmula 1, mas a lição pode ser aplicada com muita precisão ao atual ambiente de crise econômica, em que a grande maioria dos empresários tende a se retrair, ‘pondo o pé no freio’. Nessas circunstâncias, quem tiver coragem para colocar o ‘pé na tábua’ tem grandes chances de se dar bem. Afinal, todo economista que se preze sabe que o processo econômico é feito de ciclos: após uma bonança, sempre ocorre uma crise – e vice-versa.

O atual momento é de crise, que talvez até se aprofunde, mas que não será eterna. Dada essa incerteza, não é o momento apropriado para começar um novo empreendimento, mas o empresário que já está no mercado – e não pretende desistir –, só tem duas alternativas: por o pé no freio – e ser passado para trás – ou na tábua… e chegar na linha de frente. Acelerar em tempos de crise implica, porém, planejar bem as medidas a serem adotadas, concentrando esforços em ampliar a presença e visibilidade da empresa nos mercados que a crise pode ter reduzido, mas não anulou por completo.

Diante desse desafio, a assessoria de imprensa se torna uma importante ferramenta de marketing e fixadora da marca. Induzir a veiculação de produtos, serviços e marcas em jornais, revistas, sites e demais canais de comunicação eletrônicos, desde que rigorosamente selecionados, é uma tarefa que cabe a uma assessoria experiente e bem estruturada. A eficiência desse trabalho pode – e deve – ser mensurada à medida em que ele vai sendo desenvolvido, já que os veículos de comunicação costumam dar resposta imediata a uma divulgação bem feita.

Por último, vale lembrar a relação custo-benefício favorável do trabalho de assessoria de imprensa em comparação com outras atividades de marketing, especialmente as campanhas publicitárias, fator esse que assume maior relevância num momento em que as empresas têm pouca munição no carregador e que, portanto, precisam caprichar na pontaria.

Vera Lucia Rodrigues é mestre em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo e diretora da Vervi Assessoria de Comunicação. E-mail: veralucia@grupovervi.com.br