A REDAÇÃO É UMA COZINHA - Porão, silêncio, solidão. Só que não...

Share Button

‘Esconder-se no porão, de vez em quando, é necessidade vital. Precisamos de silêncio e solidão, e, não apenas os poetas. Senão, corremos o perigo de nos esvairmos em som, fúria e esterilidade. O campo para que a palavra se instale para o autor e para o leitor é o campo do silêncio e da audição’. Adélia Prado.

Cruzo com Adélia Prado no Facebook, de onde nunca consegui fugir. As palavras combinam com o silêncio prolongado que fiz aqui na minha coluna neste Observatório da Comunicação Institucional. Nesse meio tempo ‘cometi’ dois textos com a intenção de trazê-los para a coluna, mas eram mais do mesmo. Rasguei simbolicamente os dois. Percebi que, pela primeira vez em 40 anos de atividade, eu não sabia o que dizer. Eu estava desiludida. Constatar isso não foi fácil. Passei pelos estágios do luto, negação, fuga da realidade, luto de novo… não exatamente nessa ordem. Até que recebi uma ligação do professor Manoel Marcondes Neto e falei a ele sobre esses sentimentos. Contei sobre a vontade de me reinventar, a percepção de uma realidade que não é ‘amiga’, mas não vai mudar. Ele lembrou-me de que disponho deste espaço: minha coluna no O.C.I.

Resolvi recomeçar. Aqui, falando do meu processo de silêncio e som. Mais silêncio que som. E do primeiro passo. Pensamos em realizar uma reunião do Observatório da Comunicação Institucional em Brasília e só precisamos reunir algumas pessoas do bem para que isso aconteça. Gente que goste de comunicação e de pensar junto para discutir novos caminhos. O professor viria do Rio de Janeiro, gentilmente, para coordenar e presidir a reunião. A partir daí, tudo é possível. Quem sabe uma sinfonia?

Ruth Simões. Nasci jornalista. Não me imagino fazendo outra coisa, nem sabendo que a esta altura da vida não fiquei rica. Em compensação, vivo feliz. Comecei na assessoria de imprensa do Projeto Rondon, depois de passar pela Rádio e TV Nacional, jornal Zero Hora e página de Televisão do Jornal de Brasília. Integrei as assessorias de imprensa do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, Ministérios do Trabalho e da Previdência, Radiobrás, TV Globo, TV Bahia, Rádio Senado e tribunais, onde fiz uma espécie de especialização e fiquei nos últimos anos: Tribunal Superior Eleitoral, Superior Tribunal de Justiça e TV Justiça, no Supremo Tribunal Federal. Sou repórter, editora multimídia e presto consultoria em Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *