Como a sua comunicação age.

Share Button

th

Tudo o que ocorre a partir do momento em que se entra pela porta de uma empresa é resultado de sua comunicação. Pedidos, decisões, a condução de temas e fluxos de informações – são (e sempre serão) o resultado do uso (bem feito ou mal feito) da comunicação por parte dos profissionais que fazem parte daquela corporação.

Apesar de parecer que metas e resultados são o que fazem as empresas ascenderem – ou só continuarem funcionando –, na verdade, tudo o que for expresso por meio da comunicação é que fará com que isso ocorra. Afinal, uma empresa é feita de pessoas e são elas que conduzem os “afazeres” de uma empresa. Se comunicando o tempo todo. Parece simples e até óbvia essa afirmação… não fosse o fato de que as pessoas nem sempre reparam em sua própria comunicação.

É muito interessante: a comunicação interna, quando bem estruturada, traz bons resultados e faz com que as divergências dentro de uma empresa diminuam, levando à redução do stress, por exemplo. Por isso, a estruturação da comunicação interna é de extrema relevância.

Já a boa condução da comunicação institucional funciona como um rio de água transparente que corre e contorna todos os obstáculos. É capaz de se ver para onde essa água corre, tudo o que há por debaixo dela e onde se vai chegar.

Mas há um passo além da comunicação interna e da comunicação institucional que também precisa ser pensado. Vários elementos contribuem para que a comunicação dentro de uma empresa seja eficiente e fluida. E um desses elementos é o exercício da observação sobre a comunicação de cada colaborador. Fazer esse exercício, apesar de aparentemente simples, exige paciência e humildade. Mas pode ser um verdadeiro divisor de águas.

É preciso paciência porque observar um processo de comunicação exige tempo e experiência. Ninguém chega a conclusões sobre a maneira como se comunica em um único dia de trabalho. Será necessário passar-se por uma situação aqui, outra ali, até entender que existe uma “forma” de se comunicar que mais ajuda ou menos atrapalha o entendimento.

E é preciso humildade para admitir que talvez seja preciso modificar a maneira como você se comunica. E aí será necessário, novamente, ter paciência… porque você não conseguirá modificar a sua comunicação da noite para o dia. Será preciso passar por novas experiências até que sua comunicação, diante de um fato novo, se apresente com uma “roupagem nova”.

Infelizmente a clareza sobre as coisas não ocorre como quem acende uma luz, apesar dos insights parecerem exatamente isso. Quando se tem uma ideia de “defeito comunicacional” sobre si mesmo, isto não significa que, automaticamente, se fará a “correção”. Por exemplo, alguém que deseja parar de falar palavrões vai se segurar uma vez, duas, três vezes, mas vai acabar deixando escapar um @&#+**!! de quando em vez. Este, ou esta, então, terá que voltar a se colocar em vigilância…

Apesar de poder ser trabalhosa (e é) a observação sobre a sua própria comunicação, vale lembrar que ela, além de trazer benefícios a você, o fará também para a empresa em que você trabalha.

Quem repara na maneira como se comunica (e aqui vou englobar alguns quesitos da comunicação: maneira de se expressar, tom de voz, volume, gestual aliado e intenção de fala), acaba participando de um processo colaborativo para o “bom funcionamento” de uma organização, pois se percebe que isto ou aquilo que foi dito pode gerar um mal estar. Então, observe-se e tente modificar-se.

Não seria ideal que isso ocorresse em todas as empresas? Por que não ocorre? Porque nem sempre os profissionais reparam em algo chamado de “estado de espírito”. Alguns vão trabalhar levando junto suas paixões, medos, tristezas, frustrações e acabam “culpando” o trabalho por isso. É evidente que existem tarefas que geram esses tipos de sentimentos. É verdade! Mas, cabe a você decidir se quer continuar trabalhando em uma atividade que gera tudo isso. No entanto, se não é a empresa que motiva tais reações, não seria hora de avaliar sua comunicação no trabalho? Já se questionou por que foi agressivo, ou por que desmereceu certa vez a secretária? Já se perguntou se sua postura comunicativa trouxe prejuízos financeiros para a sua empresa?

A comunicação nada mais é do que a expressão de seus sentimentos. Se você não olhar para eles numa tentativa de entender o que há dentro de seu coração, talvez sua comunicação verbalize muitos sentimentos mascarados.

Não existe, nem de longe, um mundo ideal no ambiente de trabalho. Mas, se você quer um mundo mais colaborativo, pelo menos, comece observando a sua própria comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *