- Profissão? - Professor! A autoestima do professor (3) - Autoconceito.

Share Button

Em nosso último texto, falávamos da importância da autoestima. Hoje, gostaríamos de apontar para a importância do conceito que temos de nós mesmos, ou seja: da forma como nos vemos, como nos percebemos enquanto pessoas.

Nosso autoconceito começa a se construir no nascimento, quer a partir de uma herança genética como de situações e contextos vividos. E prolonga-se por toda a nossa existência, transformando-se em trabalho exigente, que nos empenha ao máximo; se o relegamos, corremos o risco de, emocionalmente, permanecer na infância ou adolescência durante toda a vida.

Em textos anteriores, vimos falando da importância de conhecer-nos. Quando nos propomos a isso, ter esta consciência torna-se da maior importância. Conhecer o nosso modo de ser é da maior importância. E, em última análise, relaciona-se ao que hoje chamamos ‘gestão de imagem’. Da imagem que construímos de nós mesmos – e, não tenhamos dúvidas, somos nós que a construímos – depende disto o nosso sucesso.

Consultoria de Imagem

Há dias, li em um livro de ficção as recomendações de um treinador para uma tenista: ‘Vamos contratar uma consultora de imagem, porque essa não é, claramente, a minha especialidade, mas acho que é importante neste caso. Ela pode nos dar dicas do pessoal certo de relações públicas, estilistas, consultores de mídias sociais e o que mais for preciso’. Algumas páginas adiante a tenista se questiona: ”Seria possível um novo visual criar confiança? Antes, acharia que não. Mas, agora, ela olhou para baixo, viu como estava fabulosa toda de preto e soube que a resposta era ‘claro que sim’.” (Lauren Weisberger, O diabo ataca em Winbledon, Rio de Janeiro: Editora Record, 2017).

Claro que sim: nosso visual ajuda – vejamos bem: ajuda – a criar confiança. Autoconhecimento conduz à confiança em si mesmo, à segurança. Claro está que não é tudo! Mas o modo como nos vestimos, como nos comportamos, como falamos, apresentamo-nos ao nosso público, independentemente do público, antes mesmo da nossa competência – este, sem dúvida, o mais importante entre todos os demais itens que possam ser elencados.

Profa. Yvone Maria de Campos Teixeira da Silva é mestre em Ciências da Religião pela PUC-SP e pedagoga, tendo atuado do Ensino Básico ao Superior – na direção de instituições, docência e assessoria. Hoje, atua como psicopedagoga clínica, assessora de imagem profissional, tradutora do francês, espanhol e italiano – com mais de cinquenta livros traduzidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *