Passo a passo para a gestão de mudanças. Por Viviane Cupello.

Share Button

O que planejar para que a gestão das mudanças seja bem sucedida?

Todos nós sabemos que mudanças trazem desconfortos e insegurança, até que tudo se acomode e que os benefícios esperados sejam apresentados. Nas empresas, pensar em mudanças traz uma desacomodação na rotina e certa instabilidade nas equipes.

Entre os cenários que exemplificam uma gestão de mudanças estão:

  • troca de gerência;
  • processos internos;
  • corte de gastos;
  • reestruturação de produto;
  • reposicionamento de mercado;
  • processos automatizados;
  • integração de setores.

Sócrates declarava que “o segredo da mudança é concentrar toda a sua energia, não na luta contra o velho, mas na construção do novo” e, em se tratando de mudanças nas organizações, essa construção do novo envolve processos, finanças, mercado e pessoas.

Por isso, planejar o processo de mudança organizacional é extremamente importante, seguindo o por quê, como, e o quê de cada etapa. É necessário entender o que precisa ser mudado, centralizar as ideias e saber onde se quer chegar com as novas estratégias.

John Paul Kotter, professor de liderança e autor de diversos livros na área de gestão, acredita que a função primária de um bom líder é produzir a mudança com forte atenção a três áreas:

⦁ estabelecimento da direção estratégica da empresa;
⦁ comunicação das metas aos recursos humanos;
⦁ motivação e inspiração para que elas sejam cumpridas.

Entendendo que cada um desses pilares acima compreende a base para o sucesso da gestão das mudanças, abaixo, segue o passo a passo identificado como essencial por Kotter com os principais eixos articuladores de todo o processo. Vamos a eles, então?

1. Estabeleça um senso de urgência.

Envolva os colaboradores na necessidade das mudanças. Eles precisam entender as razões e o porquê de agir imediatamente, promovendo o despertar da motivação em cada um deles. Os gestores precisam ser os primeiros a entender que o status quo é mais perigoso do que o desconhecido e que precisam estar abertos e atentos a como os colaboradores entendem e percebem o novo processo.
VER, SENTIR, MUDAR.

2. Crie uma coalizão para orientação.

Seus agentes de mudança serão os colaboradores confiáveis de diferentes áreas e cargos da empresa, formando uma equipe que promoverá influência a outros colaboradores ao longo do processo.

3. Desenvolva visão e estratégia.

Essa visão será importante para colocar ações em prática. Escolhendo as pessoas certas, as melhores estratégias serão desenvolvidas.

De acordo com Kotter, a visão de mudança é importante por três pontos:
SIMPLICIDADE, MOTIVAÇÃO e AJUDA.

4. Comunicar a visão das mudanças.

Visão definida de forma clara e objetiva. É hora, então, de comunicar a todos os colaboradores da empresa, garantindo entendimento de todos os processos. O grupo de liderança é responsável, também, por ensinar novos comportamentos por meio do exemplo. Essa visão deverá ser:
SIMPLES, VIVA, REPETITIVA e PARTICIPATIVA.

5. Empodere os colaboradores.

A atenção da gestão para possíveis obstáculos que impeçam o desenvolvimento da visão é importantíssimo nesse processo, abrindo possibilidades para novas propostas e iniciativas que venham ao encontro da realidade da empresa para as soluções.

6. Planeje e crie metas de curto prazo.

Programe melhorias de desempenho visíveis, elogiando e recompensando os colaboradores que estão participando ativamente do aprimoramento da organização.

7. Consolide as melhorias e promova mais mudanças.

Com o aumento da credibilidade, aproveite para mudar os sistemas, estruturas e políticas que não estão na visão e alimente o projeto com novos temas.

8. Institucionalize as mudanças na cultura da empresa.

A mudança na cultura organizacional é o último passo, e não o primeiro. Por isso, incorpore as mudanças no DNA da empresa e assegure o desenvolvimento da liderança e da sucessão.

Durante todo o processo de mudança e implementação, é importante ter habilidade de relacionamento interpessoal e de liderança, além de orientação e comunicação.

Em um mundo VUCA, onde mudanças são constantes, variadas, intensas e rápidas, deixar vir à tona a resistência é garantir o insucesso do projeto.

Referência

John Paul Kotter é o professor de liderança da Konosuke Matsushita , emérito na Harvard Business School, autor e fundador da Kotter International. Ele é um inovador em negócios, liderança e mudança. Desde o início de sua carreira, Kotter recebeu vários prêmios por sua liderança de pensamento em seu campo; da Harvard Business Review, Bloomberg BusinessWeek, Thinkers 50, Global Gurus e outros. É autor de 20 livros e 12 deles foram best sellers de negócios, dois dos quais são best sellers gerais do New York Times.

Viviane Cupello é amante da Educação, das Artes e de Pessoas. É professora e pedagoga, especialista em Gestão Escolar e em formação na Gestão de Pessoas. Estudou teatro, sempre foi apaixonada pela escrita, escreve poemas no canal ‘Poetizei Poetizamos’ e tem como um dos propósitos de vida o trabalho social. Atua na Educação há 20 anos: é alfabetizadora, lecionou em turmas da Educação Infantil e Ensino Fundamental I, coordenou o turno Integral e ministrou cursos de Escolarização, Atualização e de Formação para adultos. Fundadora da CAPAS – Ações para Educação, acredita no desenvolvimento humano por meio da Educação.