PAPO DE TERÇA - Engajar para converter: a caça ao tesouro do 'social media'. Por Nathália Corrêa.

Share Button

Sabe aquele ditado popular, ‘nem tudo que reluz é ouro’? Peço aqui, licença ao autor para uma breve modificação: ‘nem tudo que é bonito engaja’.

Há alguns anos, as redes sociais se tornaram um meio de comunicação obrigatório para qualquer negócio, de marcas globais até o mercadinho da esquina. Empreendedores e empreendedoras querem aumentar a divulgação de seus produtos ou serviços, prospectar novos clientes e, consequentemente, aumentar as vendas. A isca para fisgar o público são os posts, memes e conteúdos que, muitas vezes, podem viralizar ou serem esquecidos em instantes.

A sua publicação no ‘feed’ do consumidor irá disputar a atenção dele com outras milhares de publicações de empresas e pessoas que ele/ela segue. A sua marca se destaca por apresentar um ‘post’ bonito? Ou por apresentar um conteúdo que o consumidor deseja ver? Ou seria a junção das duas coisas?

Vamos analisar a construção de um ‘post’: (1) utiliza-se o ‘key visual’ da marca; (2) adapta-se a linguagem para a rede; (3) escolhe-se uma imagem bonita; e (4) comunica-se a mensagem com objetividade. Essas são atividades comuns na rotina do ‘social media’. Se você segue esses passos, está fazendo o que todos fazem e não está errado. Mas, após a publicação realizada ainda há muito trabalho a fazer. Aliás, o dia a dia de ‘social media’ possui um ciclo constante: planejar, criar, interagir e analisar.

Para lidar com marketing digital não tem receita de bolo, mas também não devemos cair nas graças do achismo. O ‘feeling’ é sempre bem-vindo. Porém, as métricas existem para ser estudadas.

Quantas vezes você começou a criar um ‘post’ se perguntando ‘como estão as vendas desse cliente essa semana?’. Aumentaram se comparada à semana anterior? A estratégia de conteúdo está sendo adaptada corretamente para atingir o objetivo do cliente? Podem parecer perguntas óbvias mas, muitas vezes, as métricas de aparência (com o fim do aparecimento dos ‘likes’ no Instagram, por exemplo, o alcance seria a principal) e o ‘post’ bonito enganam a gente. A etapa do ‘analisar’, citada no ciclo do ‘social media’ acima, costuma não ser cumprida. Agindo dessa maneira seremos apenas executores e não analistas de marketing digital.

Abandonar o ambiente ‘online’ e conversar com o seu cliente sobre o desempenho das vendas, conhecer o comportamento do seu consumidor e traçar esse perfil, com a criação de personas, é uma ótima maneira de começar. Fazer ‘post bonito’ é mole, não? Precisamos ir além, sair da zona de conforto do achismo e acreditar no casamento dos números com a análise dos resultados reais. Afinal, a rede social é um meio para se atingir alguma coisa. Ou seja, o caminho para chegar até o tesouro, ao objetivo do seu cliente. Se você pegar o caminho errado, não vai chegar a lugar nenhum.

Imagem: Prateek Katyal – website Unsplash.

Nathália Corrêa é bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tem MBA em Marketing Digital. Atua na gerência de marketing e mídias sociais.

Uma resposta para “PAPO DE TERÇA – Engajar para converter: a caça ao tesouro do ‘social media’. Por Nathália Corrêa.”

  1. Laura disse:

    Adorei a reflexão, Nath!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *