PAPO DE TERÇA - 'Branding': gerindo marcas, compartilhando valores. Por Nathália Corrêa.

Share Button

Diante da crise em que estamos vivendo, com a economia a cada dia mais ameaçada e o distanciamento social sendo a única ação para reduzir os impactos da Covid-19, as marcas buscam alternativas que as aproximem de seus públicos.

Há a responsabilidade com a folha de pagamento da equipe, com os lucros da empresa e com as estratégias de vendas frente a esse novo cenário. Apesar de serem preocupações válidas, uma marca é, para seus consumidores, mais do que uma ‘compra efetuada com sucesso’. Se as pessoas estão consumindo, é porque se identificam, não só com produtos ou serviços oferecidos, mas, com o propósito da empresa.

Esse deve ser o direcionamento dos setores de marketing para enfrentar a crise, mantendo a fidelidade de suas audiências. Até porque, o significado de marca é amplo. Ela representa o conjunto de emoções e experiências que despertam nos consumidores. Quais experiências ou sentimentos a sua marca está despertando nos clientes, nesse contexto?

Algumas empresas lideraram ações sociais para ajudar a reduzir os impactos da Covid-19 entre as populações mais vulneráveis. Outras organizaram e/ou patrocinaram lives de cantores, com o objetivo de arrecadarem alimentos, como é o caso recente das Casas Bahia na live da dupla Sandy e Júnior ou da Brahma/Ambev, na transmissão dos sertanejos Jorge e Matheus.

Marketing não é apenas sobre vendas. Ele precisa caminhar de mãos dadas com o seu branding. Afinal, o primeiro é sinônimo de ações externas que atraem a atenção para a sua marca. Enquanto o segundo se traduz em ações dentro da sua empresa – que também atraem o público externo -, e o reconhecimento através de um propósito comum.

Não importa o tamanho da sua empresa. Existem formas simples e criativas para promover grandes ações. Mas, o primeiro passo é entender o seu brand equity, ou seja, o valor de marca, para alinhar suas atitudes a ela. Se você ainda não faz esse trabalho na sua empresa, comece a pensar nisso, unindo boas ações agora, para colher resultados efetivas no futuro.

Além do propósito, veja três passos que ajudam a construir ou documentar o branding da sua empresa:

1. Crie um Manual de Marca

O manual serve para orientar na hora de comunicar uma marca ao público. Na criação de um manual, devem ser considerados os seguintes elementos:

– Descritivo sobre a marca
– Valores e missão
– Logo, reduções e aplicações
– Cores
– Tipografia
– Ícones, símbolos e aplicações
– Tom e voz

2. Descreva os ‘3P’ da sua Plataforma de Marca

– Propósito: o motivo pelo qual sua marca existe, seu objetivo no mundo e o que ela veio cumprir
– Promessa: o acordo feito com o seu público, o que você promete entregar para eles. Normalmente, é uma declaração interna para guiar suas ações
– Posicionamento: a maneira como você molda a imagem da sua marca e percepção para ocupar um espaço no mercado e conquistar a mente do seu público-alvo

3. Defina seus Atributos de Marca

Os atributos são as características, o diferencial da sua marca no mercado. São aqueles valores dos quais ela não abre mão e que ditam as suas ações de comunicação até a maneira como os colaboradores da sua empresa trabalham. Para traçar esses atributos, é só pensar em brand persona, ou seja, na marca como uma pessoa, e traçar características que sejam claras para o seu público.

Toda a atitude deve ser movida por um propósito, a força maior que direciona os caminhos da sua empresa. Por trás de cada logo, ou, antes de qualquer venda, existem pessoas que precisam acreditar na sua mensagem para passá-la adiante, seja a equipe interna de colaboradores ou o público externo, o seu público-alvo.

Imagem: Quan Le por Unsplash.

Nathália Corrêa é bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tem MBA em Marketing Digital. Atua na gerência de marketing e mídias sociais.