PAPO ABERTO - A mina não explorada pelas empresas.

Share Button

A lista de problemas e falhas de comunicação dentro de uma empresa é grande. As soluções sempre passam pela porta do departamento de comunicação. É investimento em comemoração de datas especiais, campanhas de engajamento, pesquisas de satisfação, crises de imagem, benefícios, intranet e demais canais de comunicação… e corre a lista.

Mas há um lado da comunicação corporativa que precisa ser olhado com mais atenção e está voltado para a comunicação ‘one-to-one’. Isso mesmo, da mesma forma que usamos cada vez mais as personas para nos comunicar com nossos clientes, porque não empregar essa técnica também para os colaboradores? Afinal, não é de hoje que se diz que eles são os primeiros clientes de qualquer empresa.

Ocorre que olhar para o cliente interno requer muito mais do que simplesmente definir uma persona, requer entender as pessoas. E daí a importância de ter a primeira regra básica para o sucesso em endomarketing: o envolvimento e a parceria da Gestão de Pessoas com a equipe da Comunicação Interna.

Sempre e cada vez mais hasteio a bandeira de que os limites entre áreas e departamentos estão se desfazendo e cada vez mais precisamos de profissionais de gestão humana que entendam de comunicação e profissionais de comunicação que entendam de gestão humana. Da mesma forma que defendo que a área comercial e de marketing são uma só.

Estou falando de dar tratativa ao indivíduo, de atuar na quebra das barreira culturais, de mudar o processo de atração de candidatos e seleção de perfis, de relacionamento intrapessoal, de ressignificar o papel de um líder e seu relacionamento com as equipes, de mitigar os conflitos de personalidade, de entender que as ferramentas tradicionais são obsoletas cada vez mais e que a comunicação não ocorre de cima para baixo e nem de baixo para cima – mas, sim, de todos os lados… o tempo todo.

Estou falando que a comunicação começa dentro da empresa e que o papel da comunicação interna e do endomarketing hoje é 100% diferente de cinco anos atrás, e até menos. E não estou falando das fotos da festinha da empresa no Instagram, Facebook ou LinkedIn. Não estou falando da exibição de certificados de títulos de melhores empresas para se trabalhar em murais e nem na missão da empresa ‘na ponta da língua’.

Estou falando que precisamos parar de entender o conflito das gerações e começar a extrair o que cada um traz de bom. Não é fácil, mas é preciso – antes de tudo – vontade. E se você pensa que em time que está ganhando não se mexe, se mexe sim, porque o mundo muda a cada minuto. Seu trabalho de marketing digital, e de branding, começam dentro de casa.

Parece lógico, mas vejo ainda muitas empresas tratando o endomarketing e a comunicação interna como os primos pobres, os que menos recebem investimentos… mas não se engane, são eles na verdade a perda bruta, a mina de ouro não explorada. O seu primeiro e verdadeiro marketing estratégico está mais perto do que você imagina.

Espero ter ajudado. Grata.

Danit Furlan é jornalista e consultora de Marketing com mais de 15 anos de atuação. Escreve semanalmente sobre assuntos diversos no mundo da Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *