NOVA COLUNA - Essa tal de Comunicação. Por Letícia Carpanez de Paiva.

Share Button

Esses quase 15 meses de pandemia levaram os profissionais de comunicação a refletir, mais do que nunca, sobre o seu papel na comunicação corporativa. E no meu caso não foi diferente.

Se a comunicação já estava passando por um processo de transformação, com a descentralização da comunicação interna, digitalização de canais e necessidade de um papel mais estratégico para a área, agora é um caminho sem volta.

A pesquisa das tendências em comunicação corporativa da Aberje, publicada em 2021, também aponta isso como realidade: 41% das empresas respondentes afirmam que a principal mudança na área, no último ano, foi a digitalização da comunicação, seja a criação de novos canais, programas e ações adaptados e/ou implementação de novas tecnologias. Outros dois dados importantes são o fato de 22% dos participantes verem maior agilidade nas ações e programas realizados e 20% perceberem o papel estratégico da área, que ganhou mais visibilidade e protagonismo.

Já na pesquisa realizada pela SocialBase/Ação Comunicativa, 78,3% dos respondentes consideram que a área de comunicação interna se tornou mais estratégica e 76,6% passaram a ver cada vez mais a importância do papel do líder comunicador.

E o que todos esses números indicam? Quais os principais desafios que nós, profissionais de comunicação, precisamos levar em conta?

1. Canais de comunicação

O trabalho remoto é uma realidade que veio para ficar em muitas empresas, principalmente as que têm negócios e serviços digitais. Com isso, pensar na efetividade de canais clássicos como o e-mail e newsletters é importante, assim como no investimento de novos canais que passam por redes sociais corporativas, aplicativos de comunicação interna e de mensagens instantâneas.

A decisão de quais canais manter, criar ou descontinuar deve ser apoiada em dados, orçamento e inclusão. Realize pesquisas para entender o uso e efetividade dos canais internos, facilidade de acesso aos mesmos, sugestões e principalmente, a satisfação quanto ao conteúdo e forma disponibilizados.

O último fator é o orçamento da área. Mesmo que a sua área não disponha de um valor alto, é possível pensar em soluções de baixo ou nenhum custo, como criar uma conta fechada no Instagram para comunicar e engajar os colaboradores.

2. Novos agentes de comunicação

Nesse novo cenário de um ambiente de convivência cada vez mais digital e da influência das mídias sociais em nossas vidas, emergem dois perfis muito importantes para fortalecer a comunicação interna: os líderes como comunicadores e influenciadores internos.

O papel do gestor direto no engajamento e produtividade dos times ganhou ainda mais relevância, principalmente por ele ser o agente que pode ajudar a área de comunicação e o RH nessa busca por uma convivência digital mais equilibrada, humana e colaborativa. E para isso acontecer, precisamos preparar e engajar esse líder, mostrando a importância dele nesse processo por meio de programas específicos de comunicação e liderança.

Já o uso de influenciadores internos ainda não é uma realidade em boa parte das empresas, visto que no relatório da SocialBase/Ação Comunicativa, 32% dos participantes pretendem aderir e 39,4% querem intensificar o uso em 2021.

E contar com um programa de influenciadores traz diversos benefícios: mobilizam e podem alcançar mais pessoas dentro e fora da empresa; podem trazer insights e servirem de um canal de escuta e feedback das áreas; ajudam a trazer novos conteúdos para a comunicação interna e podem gerar conteúdo próprio para engajar externamente.

3. Mensuração da comunicação

O último ponto que quero abordar como desafios da nossa área é a mensuração da comunicação que ainda não é o norteador das nossas decisões: 48,8% das empresas ouvidas pela SocialBase/Ação Comunicativa medem somente até 40% das ações realizadas. Mas para ter indicadores que se tornem a base para o planejamento e tomada de decisão da área, é preciso medir tudo!

Comece pela mensuração que as próprias ferramentas de comunicação oferecem, como aberturas e cliques de e-mails, visualizações, curtidas e comentários de posts, volume de espectadores em lives internas etc. O segundo passo, é medir por NPS e perguntas qualitativas, os eventos e ações realizadas para sabermos se estamos no caminho certo. O terceiro passo, é acompanhar também as demandas que a área recebe: quais os tipos de demandas, os canais a serem utilizados, os temas abordados, áreas/colaboradores impactados, entre outras métricas.

Por último, realize uma pesquisa de comunicação interna anualmente para gerar métricas globais, que podem ser cruzadas com os dados dos passos citados acima e ter insights para o planejamento da área no ano seguinte. Se a sua empresa realiza pesquisa de clima, é importante também ter acesso ao que se refere à engajamento, comunicação e transparência.

A partir de algumas tendências e desafios que abordei neste artigo, vemos como o comunicador ganha protagonismo nas empresas e como seu papel deve ser cada vez mais analítico e estratégico para colaborar nas transformações organizacionais.

Referências

ABERJE. O que esperar da comunicação organizacional em 2021. Disponível em: https://www.aberje.com.br/mkt_parceiros/2021/docs/aberje-TendenciasComunicacao2021.pdf?utm_source=ALLINMAIL&utm_medium=email&utm_content=262863083&utm_campaign=ABERJE_THINKS_MAR_O&utm_term=_.in.yu02bj5.sau.j.h.qh5.wa0.n.xay.nm.lh.j.x.yp.fmb. Acesso em 10 de maio de 2021.
SOCIALBASE/AÇÃO COMUNICATIVA. Como será a comunicação interna em 2021. Disponível em: https://materiais.socialbase.com.br/pesquisa-tendencias-de-comunicacao-interna-2021. Acesso em 12 de maio de 2021.

Crédito: Foto criada por creativeart – br.freepik.com

Sobre mim

Depois de quase 15 anos de carreira, eu olho p’ra minha trajetória e vejo que fiz a escolha certa. Amo trabalhar com comunicação e ajudar a promover a cultura corporativa. Sou bacharel em Comunicação Social e pós-graduada em Comunicação Empresarial pela Universidade de Juiz de Fora (UFJF) e mestre em Ciências da Comunicação e Novas Mídias pela Universidade de Aix-Marseille II, na França. Tenho experiência em planejamento e desenvolvimento de estratégias de comunicação interna, engajamento e cultura, além de gestão de mídias sociais institucionais. Meu perfil – https://www.linkedin.com/in/leticiacarpanezdepaiva/