NOVA COLUNA: COMUNICAÇÃO E SUSTENTABILIDADE - Seis importantes conhecimentos e competências para o profissional de comunicação em projetos de sustentabilidade. Por Bruna Ribeiro.

Share Button

Sabemos que a sustentabilidade é transversal. Ela percorre (ou, pelo menos, deve percorrer) por todas as áreas da organização, mas diante dos vários pontos de afinidade entre a comunicação e a sustentabilidade, os profissionais de comunicação têm sido mais especialmente apresentados a novas responsabilidades e desafios organizacionais.

Em minha trajetória profissional, por exemplo, vivenciei essa experiência! Um dos primeiros contatos que tive com sustentabilidade se deu nesse contexto. Eu, relações-públicas, com atuação até então voltada exclusivamente à comunicação empresarial, assumi um novo desafio. Na época, a empresa iniciava um projeto estratégico de desenvolvimento do programa de sustentabilidade e, na ocasião, foi atribuída à área de comunicação um papel significativo.

Alguém se identifica? Imagino que sim! Movimentos como esse são muito comuns nas organizações. Isto se deve, muitas vezes, ao perfil do profissional de comunicação que se destaca por conta da sua capacidade de análise do ambiente, percepções dos diferentes públicos e linguagem adequada para um cuidadoso diálogo com cada um eles.

Partindo desse entendimento, nosso segundo texto na coluna trará um olhar sobre conhecimentos e competências recomendadas para o profissional de comunicação, tanto para quer atuar em projetos de sustentabilidade como também para quem pretende ampliar a sua atuação nesta área.

Elenco, a seguir, seis importantes elementos para este profissional considerar e buscar desenvolver em sua carreira dirigida a projetos em sustentabilidade. Vamos lá?

1) Visão holística: a visão holística é uma aptidão importantíssima aos profissionais de todas as áreas. Na interação entre comunicação e sustentabilidade não é diferente! Nesse campo, a visão holística sugere uma visão do cenário da organização, seus públicos de relacionamento e da comunicação de forma integrada, com vistas à compreensão de situações e à tomada decisões mais assertivas. Diante dos desafios e dinamismo de projetos de sustentabilidade, este é um elemento imprescindível para o profissional de comunicação.

2) Visão estratégica: esta competência está diretamente relacionada à definição da estratégia de comunicação, essencial ao profissional da área. Envolve habilidades como pensar no futuro, elencar prioridades, delimitar recursos e investimentos – para que os objetivos estabelecidos sejam alcançados, sem se desprender da estratégia da organização.

3) Mapeamento de stakeholders: uma das responsabilidades essenciais para o profissional da área está realizar o mapeamento de stakeholders (públicos de interesse). Conhecer cada público, seu perfil, interesses e histórico de relacionamento com a organização, por exemplo, são essenciais para a priorização das estratégias de comunicação, desde a definição das mensagens e canais a serem utilizados, assim como decisões em outras esferas. Em projetos de sustentabilidade, estamos o tempo todo envolvidos em ações que refletem nos diferentes públicos, sendo assim fundamental compreender quem são eles, seus interesses e como essas decisões impactam ou são impactadas por eles. Deixo aqui uma dica de leitura sobre este assunto.

4) Construção de narrativas: independente do objetivo da organização, seja o de comunicar a sustentabilidade ou comunicar para a sustentabilidade (conceitos que, em breve, exploraremos mais por aqui), é preciso que a organização realize o seu objetivo a partir de determinada narrativa. O estabelecimento dessa narrativa também é uma responsabilidade atribuída ao profissional de comunicação e, naturalmente, a construção de narrativas em sustentabilidade é fundamental, especialmente para o engajamento dos diferentes públicos!

5) Estímulo e promoção do diálogo: o diálogo é parte fundamental a qualquer organização que deseja desenvolver a sustentabilidade em seu negócio – isto na medida em que é preciso ampliar o acesso e a participação dos diferentes públicos nas soluções de questões e decisões da organização. Sejam funcionários, comunidade, imprensa, fornecedores, entre outros, é válido considerar que todos os públicos de relacionamento esperam algum nível de informação e participação sobre o que a organização decide e faz.

6) Gerenciamento de conflitos: conflitos ou crises fazem parte do mundo das organizações! Ninguém está livre disso! Muitas vezes esses conflitos estão relacionados a alguma questão ou iniciativa em sustentabilidade. Quando isso acontece, inevitavelmente, envolverá interesses de algum(ns) público(s), sendo o profissional de comunicação responsável por orientar a estratégia de comunicação e relacionamento, recomendando-se priorizar também a capacidade de gerenciar conflitos e crises organizacionais.

Sem dúvida alguma, não se esgotam aqui os conhecimentos e competências para o profissional de comunicação em sustentabilidade, mas esses são elementos básicos importantes que o profissional deve levar em consideração e buscar desenvolver continuamente.

Certamente, o papel do profissional de comunicação em projetos de sustentabilidade é fundamental para a potencialização dos resultados, seja na elaboração de materiais mais assertivos, como também no processo de engajamento, educação e desenvolvimento das ações.

E você, caro e cara colega, como se vê nesse cenário? Como enxerga a nossa atuação nessa frente de trabalho? Quer conversar mais sobre sustentabilidade, comunicação e relacionamento institucional? Me chame por aqui! Vou adorar!

Confira também outros conteúdos em minha página no LinkedIn (https://www.linkedin.com/in/ribeirobruna/) e no blog da ‘3 é Par – Conexões Sustentáveis’ (www.3epar.com.br).

Bruna Ribeiro é comunicóloga, com ênfase em Relações Públicas, especialista em Comunicação Organizacional (ABERJE) e Gestão da Sustentabilidade Corporativa pela Fundação Dom Cabral. Cofundadora da ‘3 é Par – Conexões Sustentáveis’, atua no desenvolvimento do valor da sustentabilidade em organizações privadas, públicas e não-governamentais. Mais conteúdos também no Instagram: @bruribeiroh.