Narrativas coletivas e memória organizacional: como fortalecer a cultura da empresa em tempos de pandemia? Por Raíza Halfeld.

Share Button

O ano de 2020 veio ensinar que não importa o quanto você se planeja, tudo pode mudar em um instante. Mas, é preciso dizer que embora o imediatismo seja um dos protagonistas da era digital, a memória ainda se revela como uma importante aliada das empresas que precisam, mais do que nunca, despertar o senso de pertencimento em seus colaboradores.

Com a pandemia do Covid-19, o modelo de trabalho remoto passou a ser adotado como alternativa para reduzir o risco de contágio do vírus. Porém, esse formato pegou muitas empresas de surpresa, principalmente aquelas que seguiam um modelo de gestão tradicional.

Afinal, como fazer com que as pessoas continuassem produzindo com a mesma intensidade de antes e engajadas em casa?

Não há dúvidas de que o home office afetou as estruturas e os modelos corporativos convencionais. A adaptação a esse novo contexto trouxe à tona um tema urgente e pouco debatido em muitas empresas: a questão da cultura organizacional. Isso mesmo! Embora a comunicação interna seja a base para o sucesso de qualquer negócio, ela é pouco valorizada, principalmente em empresas de pequeno e médio porte. Talvez por falta de conhecimento ou de mão de obra qualificada. Mas, o fato é que neste momento de crise é preciso, mais do que nunca, investir nessa área.

Manter valores e princípios ativos à distância tem sido um desafio para muitos empreendedores. Porém, é necessário buscar alternativas para manter viva essa conexão com os colaboradores. Em um mundo de instabilidade é preciso reiterar o propósito de estar ali; de saber o porquê do trabalho e entender o caminho a ser percorrido para alcançar os objetivos estabelecidos.

Desenvolver o senso de pertencimento é tarefa árdua, mas não impossível. Nesse sentido, pode-se dizer que a memória pode ser utilizada como estratégia de engajamento. Utilizar informações do passado nas ações atuais, além de reforçar a cultura de uma empresa, oferece referências seguras para os colaboradores se manterem firmes frente ao propósito estabelecido.

Mas, como fazer isso?

Bem, o caminho está no relacionamento que é desenvolvido com as pessoas que constroem a organização. A cultura, de uma forma geral, pode ser definida como um conjunto de tradições e costumes de um determinado grupo social. Sendo assim, não se pode pensar em construir uma cultura organizacional baseado, apenas, em uma narrativa, mas sim nas múltiplas vozes que compõem a empresa.

As narrativas coletivas devem ser valorizadas para fortalecer a empatia, criar laços e reforçar vínculos. Por isso, é fundamental unir as experiências do passado e do presente para projetar um futuro promissor. Não se pode esquecer que a memória e a história são construídas, o tempo todo, no presente e caminham lado a lado. Por isso, é hora de pensar em formas de fortalecer e valorizar a cultura da sua empresa!

Você pode começar implementando algumas ações simples no dia a dia! Veja algumas dicas:

1o.) Valorize as experiências dos seus colaboradores!
2o.) Estabeleça diálogos com sua equipe!
3o.) Faça feedbacks constantes!
4o.) Realize reuniões periódicas!

No mais, lembre-se que embora a cultura organizacional seja moldada conforme a concepção dos seus fundadores, ela está em constante mudança. Portanto, ressignificar conceitos e ideias talvez seja o grande segredo dessa era digital.

Raíza Halfeld é jornalista e mestre em Competência Midiática, Estética e Temporalidade pela UFJF.