GOVERNANÇA DA INOVAÇÃO - Como comunicar o processo de inovação corporativa?

Share Button

Por muitos anos a principal palavra no contexto mercadológico do Brasil foi ‘qualidade’, tanto em processos como em produtos e serviços. No entanto, essa característica já não é mais um diferencial e o consumidor atual busca soluções criativas e personalizadas para os seus problemas, o que levou as empresas a outra grande busca, a inovação.

Em seu livro, ‘O poder da inovação’, Luiz Serafim, diretor de marketing da 3M Brasil descreve a inovação como o ato de renovar, introduzir uma novidade. Por isso, o contexto corporativo precisa permitir uma cultura de liberdade de criação e de incentivo à capacidade criativa e empreendedora de cada indivíduo, para que através da cocriação, os colaboradores possam apresentar novas soluções para os problemas antigos, encontrar oportunidades e acrescentar valor ao negócio.

Neste contexto, ter informações é um dos primeiros elementos para que a criatividade e o pensamento estratégico dos colaboradores sejam estimulados. Ter conhecimento claro sobre os objetivos da empresa permite que os colaboradores sejam mais flexíveis frente às mudanças, passem a trabalhar melhor em equipe e se envolvam com as diversas atividades em busca de melhores resultados. Esse processo de repasse de informações se chama ‘comunicação corporativa’.

A comunicação corporativa pode ser definida como a troca de informações entre os diversos colaboradores e setores da empresa, permitindo que os mesmos estejam interligados e cientes das funções e desafios uns dos outros. Isso gera uma atmosfera de companheirismo e cooperação entre as equipes, minimiza mal-entendidos e estimula as trocas entre os diversos indivíduos, permitindo a cocriação de soluções e geração de novas ideias.

É a comunicação corporativa eficiente a responsável por melhorar o diálogo entre os colaboradores, transmitindo informações com confiança, alinhando processos e procedimentos, demonstrando a importância individual de cada pessoa no alcance do resultado final, criando uma visão sistêmica que, por consequência, melhora o clima organizacional, promove a liberdade para expressar suas ideias e opiniões e estimula o brainstorming.

Num momento em que vivemos uma ‘revolução criativa’, a capacidade de construir relacionamentos, contar histórias e promover o brainstorming entre os diversos setores passa a ser essencial para uma empresa que busca construir sua gestão da inovação. Por isso, listamos 4 ações que a corporação pode adotar para melhorar sua comunicação corporativa, auxiliando em seu processo de inovação:

1. Defina seus objetivos e crie o processo

De nada adianta a empresa investir em sua comunicação se os objetivos e processos não estão estruturados. Ter objetivos claros de onde a empresa quer chegar e como ela chegará lá é o primeiro passo para conseguir comunicá-los às pessoas. Ter uma visão de futuro que seja desafiadora, mas alcançável é um grande fator de motivação. Saber onde suas ideias podem contribuir, quem irá aprová-las e como os investimentos financeiros poderão ser viabilizados, são pontos essenciais para estimular os colaboradores a se engajarem no processo de inovação.

2. Invista em reuniões breves e contínuas

Reuniões ainda são a melhor forma de transmitir uma mensagem, além de promover o convívio entre as pessoas e um momento de expressarem suas opiniões. Existem diversos métodos ágeis que incentivam a realização de reuniões curtas, para que todos exponham no que estão trabalhando e quais são suas dificuldades. Dessa forma, se alguém identificar que pode auxiliar com alguma ideia, já sabe quem procurar ou o que fazer. As reuniões também servem para demonstrar que a liderança está aberta para ouvir as sugestões dos colaboradores frente aos objetivos que a empresa quer alcançar. Além disso, é momento de apresentar ou relembrar como ocorrem os processos de inovação, aprovação de ideias e/ou investimentos ou mudanças que possam ter acontecido recentemente.

3. Promova ambientes e momentos de convívio informais

Apesar de a inovação não ser apenas uma sala colorida com puffs, ter ambientes na empresa em que as pessoas possam utilizar para convívio de maneira informal estimula a troca de informações, o compartilhamento de histórias e, por consequência, o surgimento de novas ideias. Dessa forma, é importante que a empresa tenha locais onde as pessoas possam ‘fugir’ de suas rotinas para trocar ideias com outros colaboradores dos mais diversos setores. No entanto, não adianta haver o local físico se não for disponibilizado tempo para que essas trocas aconteçam. Dessa forma, a empresa também precisa permitir que os colaboradores tenham tempo real para investir na busca por inovação.

4. Invista em tecnologia

Existem diversas ferramentas no mercado que facilitam a comunicação interna, gerenciam o fluxo de trabalho, os objetivos e prazos a serem alcançados, além de pacotes de software que permitem a gestão de ideias. Uma empresa inovadora deve buscar constantemente ferramentas que possam tornar sua rotina mais eficiente, auxiliar na gestão das diversas informações do negócio e permitir que os colaboradores consigam conversar individualmente ou em grupos com os mais diversos setores de maneira rápida e concentrada. No entanto, de nada serve adotar diversos sistemas se os mesmos não estejam sincronizados, e, por isso, é importante buscar integrar os diversos programas utilizados pela empresa para que informações importantes não se percam pelo caminho e para que não seja necessário o retrabalho de se passar dados de um local para o outro. Empresas que conseguem integrar seus sistemas em um só local conseguem se tornar mais ágeis, melhoram a tomada de decisão e, por consequência, conseguem entregar soluções mais rápidas ao mercado.

Promovendo as ações que otimizem a comunicação corporativa, a empresa consegue maior integração e colaboração entre as pessoas, incentiva o engajamento entre as equipes, promove a transparência das informações e fortalece a cultura organizacional sincronizada com a inovação. Garante, dessa forma, que os funcionários não apenas estejam engajados na construção de ações inovadoras, mas que também saibam como desenvolvê-las, quais pessoas envolver e como isso impactará nos resultados.

Tamiris Dinkowski é entusiasta e apaixonada por governança, inovação e o mundo das startups. É Contadora formada pela UFSM, especialista em Controladoria e Finanças pela PUCRS. Atua há mais de 5 anos com governança e gestão da inovação.