FORA DA CAIXOLA - Ôrra meu!!!

Share Button

A cidade de São Paulo completa, essa semana, 465 anos. A capital paulista é uma jovem senhora, cheia de cantos misteriosos e curiosidades trocadas, boca a boca, entre os moradores, nativos e visitantes.

Eu moro aqui desde 1985 e não largo mais esse lugar, que traz no DNA o aconchego cultural e a distância entre culturas. Muitas vezes, na mesma rua de um bairro convivem igrejas, templos, santuários de religiões diferentes. Presencio isso aqui perto de casa. Não é incomum sabermos que em um lugar escondido existe um point novo, cheio de charme e que está atraindo pessoas com que você se identifica.

Criolo cantou ‘Não existe amor em SP’ e isso mexeu com o pessoal daqui. Claro, um lugar que possui cerca de 11 mil pizzarias (no país todo existem 36 mil) não pode ser desguarnecido de gente que interage, confraterniza e se diverte junto. Paulistano da gema tem cara de fechado, mas é muito generoso. O que os paulistanos parecem não gostar é de invasão de privacidade. Há vários guetos, pessoas de todos os tipos que convivem no metrô, nos trens, nos centros de cultura e nas quebradas de bairros da periferia. Basta pedir licença que as portas se abrem e a casa vira sua.

O aniversário é nesse dia por conta da fundação do Colégio dos Jesuítas, considerado o marco zero da maior cidade da América Latina. Os padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta nunca imaginaram que isso poderia acontecer.

Hoje, São Paulo tenta agradar a mais de 12 milhões de pessoas e é a cidade mais populosa do país. Aqui, artistas sempre fizeram história, trouxeram referências, desnudaram preconceitos. Não é à toa que essa cidade possui o décimo maior PIB do mundo e acolhe moradores nativos de 196 países diferentes, segundo dados de 2016. É um grande caldeirão cosmopolita, cheio de estilos, sotaques e sabores.

A última ‘aprontação’ paulistana está relacionada ao Carnaval. Desde 2015, cresce, em proporção geométrica, o número de blocos e de folia nas áreas urbanas e na periferia. O comércio, o turismo e, em suma, a economia agradecem, bem como todos que gostam dessa loucura organizada e destrambelhada que grita Ôrra meu!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *