Espelho, espelho meu. Sobre o ego e suas fantasias de recompensa. Por Adriana Linhares.

Share Button

Houve uma época em que era comum ver, em praças da cidade, grupos reunidos entre duas árvores. No meio, uma corda esticada e uma pessoa tentando se equilibrar. A cena roubou minha atenção até a curiosidade vencer: aula experimental do tal slackline agendada com sucesso. Cheguei confiante e, ao ver a corda, já calculei racionalmente sua distância do chão, estimando que não passava de 50 centímetros. “Pouco mais de uma régua padrão, pensei. Mesmo se eu cair não vou me machucar”.

A aula era em grupo e, portanto, antes de me aventurar teria a oportunidade de assistir ao desempenho de uma aluna, tão caloura quanto eu. “Ótimo! Assim observo o que ela vai fazer e evito passar por um vexame”, planejei. Ela estava nervosa e já ameaçou desistir sem nem ter tentado. “Vou cair”, anunciava, quase chorando. O professor a encorajou. Ela deu três passos. A corda tremeu intensamente. A orientação agora era mais incisiva. “Siga sem olhar para o chão. Só caminhe olhando para frente!”.

Ela travou. A corda pendeu uns dez centímetros para a direita e depois para a esquerda, como um balanço. Ainda mais aflita, parou de novo e ao avançar pouco mais de um metro caiu com a perna trêmula. Não se machucou, mas sequer considerou retomar a tentativa.

Expectativa VERSUS Realidade

Minha vez e você, certamente, já entendeu o que aconteceu, certo? Foi só perceber a instabilidade de onde pisava ao subir na corda para cair logo após o primeiro passo (mal dado, inclusive). Só então entendi que era preciso exercitar tanto a mente quanto o corpo, especialmente pela concentração. E mais: percebi que antes mesmo de vivenciar a situação eu já tinha dado por perdido o desafio, sem entender o que me esperava ou me preparar. Eis a questão.

E por que trazer esta história aqui?

É que dela extraí um lembrete amigo e sempre atual em tempos de elevada presença digital (e seus desdobramentos): o ego é uma cilada encantadora. Dessas em que todos nós estamos sujeitos a cair. Aliás, como diria o genial Millôr Fernandes, “Não ter vaidades é a maior de todas”. Saber disso é essencial para manter os pés bem plantados no chão e a atenção vigilante. Sempre. Um exercício, mesmo.

E em matéria de aprendizado, entender-se capaz deve ter como bússola a necessidade de continuar se capacitando. E, claro, a disposição para mudar de pele para que seja possível, por exemplo, trabalhar em uma nova área, criar um produto ou serviço, adquirir habilidades e se permitir errar (para acertar). Afinal, “O analfabeto do século XXI não será aquele que não consegue ler e escrever, mas quem não consegue aprender, desaprender e reaprender”, escreveu Alvin Toffler.

Métricas da vaidade

Em nosso dia a dia, vivemos algumas situações que exigem atenção redobrada para não cairmos nessa armadilha. São ações que alimentam mais a própria autoimagem a despeito de um objetivo (ou sentido). Na área de marketing, por exemplo, as chamadas “métricas de vaidade” são números que não representam sozinhos o desempenho de um conteúdo ou canal e, tampouco, revelam resultados expressivos.

Exemplos disso são os números de seguidores e de curtidas. Não à toa, o Instagram decidiu ocultar o número de curtidas dos posts. Entenda o que é (ou não) métrica de vaidade (https://rockcontent.com/br/blog/metricas-de-vaidade). São dados que falam mais sobre quem o apresenta do que é apresentado.

Fale bem, mas não (só) de si

A cilada do ego produziu ecos também no próprio comportamento de compra. Do advento aos últimos dez anos, a publicidade adotou o convencimento como argumento de venda de um produto ou serviço. Minha marca, minha qualidade, meu diferencial. Eu, empresa. Você, consumidor.

Mas nos últimos anos, o narcisismo da autopromoção deu lugar à entrega antes da venda por meio do chamado marketing inbound. Uma relação de sedução, claro. Mas a partir de uma relação construída, envolvendo a oferta de um conteúdo, serviço ou produto relevante antes da decisão de compra em si. Uma lógica menos centrada na marca e mais nas entregas.

Adriana Linhares possui sólida experiência em comunicação corporativa construída ao longo dos últimos 20 anos nos setores de educação, saúde, bem-estar, terceiro setor e indústria. Jornalista e especialista em gestão estratégica, atua como produtora de conteúdo e copywriter em projetos de marketing de conteúdo e marketing inbound.