ESPAÇO INTERNO - Você, você mesmo e a sua marca pessoal.

Share Button

O ‘personal branding’ vai além de você, mas é, em primeiro lugar, aquela imagem que chega antes de qualquer competência. Então, como não cuidar da sua aparência?

Sim, estamos na busca da evolução e de quebras de paradigmas milenares para construir um novo mundo. Mas algumas coisas simplesmente não mudam. Uma delas é o primeiro impacto que causamos através daquilo que apresentamos. Ou seja, sua roupa e sua aparência ainda dizem aos outros quem você provavelmente é (eu disse, provavelmente).

De acordo com a literatura, ‘personal branding’ é a gestão da sua marca pessoal, aquilo que te posiciona na maneira em que seu público possa entender quem você é e o que tem a oferecer. Assim, como você gostaria de ser lembrado a partir da sua imagem?

Tenha em mente que no momento em que se expõe, seja nas redes ou entre amigos, você já criou a sua marca. Somos vistos o tempo todo e cada opinião ou postagem vinda de você vai desenhar a forma como as pessoas constroem a sua imagem. Assim, para exercitar o seu ‘personal branding’ é preciso manter o foco naquilo que você mesmo construiu. Não é marketing puro e simples, é trabalhar diariamente para solidificar o seu posicionamento perante seu público.

Para investir no conceito é preciso trabalhar duro e, se você estiver disposto, comece lendo essas dicas:

– Planeje. Sempre. Qual o seu objetivo? Quem é o seu público? Defina isso e crie uma bela e encantadora história de como você chegou até ali. Mas tem que ser real, tem que fazer o público amar. As redes sociais não perdoam historinhas ‘fake’ e todo seu trabalho pode ir por água abaixo se não for construído em cima de fatos reais. Você precisa ser você on e off-line.

– Crie autoridade no segmento que escolher. Mergulhe fundo em leituras, converse com pessoas que transitam na mesma área, experimente produtos (se for o caso) e mostre resultados através das redes. E escreva muito. Ache uma identidade própria e vá! Quando perceber que as pessoas começam a te consultar com certa frequência, então você saberá que está no caminho certo.

– Na culinária, quem tem aptidão para confeitaria se estabelece nesse segmento e não abre um restaurante de comida francesa, por exemplo. Assim é com o trabalho de ‘personal branding’. Escolha uma rede para estabelecer sua marca e siga nela. Veja que mídia é mais de acordo com o seu objetivo e ‘monte seu acampamento’ ali. Se a sua praia é conteúdo escrito, o Instagram, por exemplo, talvez não dê o alcance que você deseja.

– Não faça autopromoção. Isso não é branding, é egocentrismo puro. Vaidade. A função do branding é fazer de você um pessoa confiável para que outras pessoas consumam aquilo que você acredita ser bom para elas. Alguns reis e rainhas possuíam criados que provavam comidas antes para atestar que não estavam envenenadas. Guardadas as devidas proporções, é isso. Mas hoje, o rei é você e seus seguidores é que vão consumir o produto final.

E, acima de tudo, não tenha receio de dar o primeiro passo. Todo mundo precisa começar de alguma forma. O mais importante é o foco e o esforço dedicados ao seu projeto. É uma jornada de erros e acertos, e isso é maravilhoso – para que você possa crescer e se tornar a referência que tanto deseja.

Isabel Ferraro é jornalista com expertise em comunicação empresarial, conteúdo on e off-line, e gerenciamento de marca pessoal em redes sociais. Sócia-diretora da Essenzia Comunicação, empreendedora e mãe do João Pedro e do Gui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *