EMPREENDEDORISMO FEMININO E COMUNICAÇÃO - O poder de uma narrativa. Por Alessandra Assumpção.

Share Button

Você sabia que nossa forma de compreender as coisas está relacionada às histórias que ouvimos desde crianças? Ouvir e compartilhar histórias é a nossa forma de aprender sobre as complexas formas de ser humano e são elas que ajudam a dar sentido ao que fazemos ao longo da vida.

Nossas vidas se parecem porque compartilhamos valores e ambições semelhantes – que vêm das histórias. Elas são as lentes pelas quais enxergamos o mundo.

O que acontece no cérebro com uma narrativa?

Segundo Fernando Gomes, neurocirurgião e neurocientista, o que ocorre é que, quando você ouve uma história, partes do seu cérebro são ativadas de modo semelhante a um quebra-cabeças, daqueles que você consegue encaixar peça por peça dentro de suas próprias ideias e experiências e, assim, a assimilação de fatos melhora o poder de fixação na sua mente. É o poder da neurociência a favor da comunicação que se desenrola mais rapidamente quando um conteúdo é transmitido em formato de discurso, ou seja, narrado com começo, meio e fim e, então, é possível prender mais a atenção de quem escuta e demorar mais para ser esquecido.

Quando processamos os fatos e histórias que escutamos, duas áreas do cérebro são ativadas: broca (responsável pela produção da linguagem) e wernicke (responsável pelo conhecimento, interpretação e associação das informações). Uma história bem contada pode ativar ainda mais áreas, como o córtex motor, sensorial e frontal. Rico em neurônios, o córtex é o local no cérebro humano de representações simbólicas – a famosa assimilação que muita gente utiliza quando precisa estudar para uma prova ou decorar alguma coisa.

Como contar boas histórias?

Sabemos que o storytelling vem ganhando cada vez mais lugar exatamente porque nos conectamos com as histórias que são contadas tanto por outras pessoas como pelas marcas.

Existem alguns termômetros que regulam nossas atividades cerebrais todos os dias e que são acionadas quando uma boa narrativa é lida ou ouvida. Para tal veja 5 princípios para você usar neste processo:

Empatia: quando conseguimos que nosso protagonista desperte empatia no nosso público. É quando despertamos oxitocina, um hormônio calmante, que relaxa o corpo e diminui os batimentos cardíacos.

Conflito: é o cortisol entrando em ação! É quando o protagonista se depara com algum desafio, trazendo inquietação e suspense à trama, e – também – ansiedade e tensão ao nosso cérebro facilmente influenciável.

Virada: quando antecipamos o que vai acontecer e encontramos na “virada” uma parte da nossa expectativa. É quando permitimos que a dopamina tome conta do nosso funcionamento cerebral.

Clímax: adrenalina nível máximo! Pode haver uma certa instabilidade no ar, algumas dúvidas se o protagonista conseguirá ou não ultrapassar aquela barreira, e uma torcida – em conjunto com a dopamina -, pelo melhor.

Mensagem essencial: uma injeção de endorfina, o hormônio do bem-estar, é liberada quando captamos a mensagem essencial e entendemos os porquês, quando conseguimos ligar todos os fios e compreender o que era preciso. Toda jornada tem um propósito.

Essas são dicas do Rafael Rez, especialista em marketing, em uma de suas palestras no RD Summit (2018), sobre o conceito de neurostorytelling que uso sempre para escrever meus conteúdos e aprender mais e também aplicar com o neuromarketing.

Uma história interessante!

Assim, com uma boa história contada com riqueza de detalhes, fazendo o uso de elementos que facilitem o entendimento, eleva-se o poder que a comunicação possui de atingir inúmeras pessoas em apenas alguns minutos. E o mesmo vale para um aprendizado com você mesmo: ao tentar aprender alguma coisa, construa uma boa narrativa mental que assimile e se adeque ao seu modo de entendimento.

Preparada para se desafiar?

Fontes de pesquisa: Rafael Rez, Narrative, Fernando Gomes, Rede Mulher Empreendedora.

Alessandra Assumpção é founder da Madame Conteúdo, uma empresa de produção de conteúdos, consultoria, mentoria e workshops de marketing de conteúdo para criação de textos criativos, autênticos e persuasivos. Apaixonada pelas palavras, é jornalista e copywriter que está em constante busca de inovação e da utilização das palavras que expressem a melhor comunicação de forma genuína e poderosa. Para saber mais sobre o seu trabalho, acesse: www.madameconteudo.com.br ou @madameconteudo ou  https://www.linkedin.com/in/alessandraassumpcaomkt