SAÚDE MENTAL - É possível desenvolvermos a síndrome de burnout na quarentena? Por Luana Segato.

Share Button

🔥 SIM 🔥

Ao contrário do que pensamos, a síndrome de burnout, conhecida como a síndrome da estafa pelo trabalho, pode ser desenvolvida em nossas residências neste período de isolamento devido ao alto índice de estresse que estamos expostos.

O tão sonhado home office para alguns, pode ter se tornado o pesadelo para outros, porque na verdade não estamos em homeoffice, estamos ‘trabalhando de casa’.

Trabalhar em home office é exercer atividades em um espaço físico organizado, com infraestrutura suficiente para conseguirmos ter concentração no desenvolvimento de nossas demandas profissionais.

O que estamos vivendo neste momento de quarentena é a execução de atividades em casa, juntamente com uma rotina familiar e doméstica que talvez nunca foi vivida antes.

A nova rotina tem nos exigido muito mais energia emocional e física, devido as mudanças repentinas e também porque estamos sendo obrigados a fazer e desenvolver habilidades que até então não eram necessárias.

Além de estarmos manuseando ferramentas diferentes das usuais, precisamos de um nível maior de concentração para poder absorver o que estamos ouvindo nas reuniões online, sem que a poluição sonora causada pelo ambiente doméstico, os deslizes de visualizações nas redes sociais e as diversas demandas da família não nos tire do foco nos deixando ainda mais estressados.

O estresse é um alerta ao nosso organismo e é acionado sempre que estamos em algum estágio de mudança, incerteza e medo.

Neste período de isolamento, onde estamos em constante liberação de cortisol (hormônio do estresse), a síndrome de burnout pode ser desencadeada por fatores como:

– Alterações bruscas de vida – Demandamos muita energia em processos de mudança e sempre devemos faze-las de forma cautelosa e programada, porém, a pandemia nos trouxe uma necessidade de alteração rápida de nossas rotinas, causando-nos muito estresse;

– Falta de descanso físico e mental – Com tantos desencaixes de atividades (trabalho/casa/filhos), estamos com menos tempo para descansar, estamos com menos tempo para nós mesmos;

– Dificuldade de organização – Ambientes desapropriados para execução de atividades profissionais podem gerar baixa produtividade e aumento da ansiedade por falta de resultados;

–  Conflitos no lar – As discussões entre familiares causam grande drenagem de energia, aumentando o estresse e o estado exaustivo;

– Isolamento social – A falta de interação e conexão com pessoas é extremamente corrosiva às nossas emoções, afinal somos seres sociais e precisamos do convívio social;

– Problemas financeiros – A possibilidade ou existência de uma dificuldade financeira nos acarreta muita tensão e preocupação;

– Cobrança por desempenho – Em uma situação profissional onde interagimos de uma forma que não estamos habituados e corremos o risco de não estarmos sobre a gestão de uma liderança positiva, a cobrança por resultados pode ser ainda mais destrutiva, nos causando medo e estresse;

– Alimentação compensatória – Ciclos de grande tensão emocional nos faz sentir merecedores de desfrutar de alimentos e bebidas que possam nos anestesiar do mal-estar em que estamos vivendo. Todos nós sabemos que a saúde entra pela boca, mas o que talvez ainda não temos tanta certeza é o quanto o que entra pela boca pode afetar diretamente a nossa saúde mental.

Estamos vivendo um momento de fontes inesgotáveis de estresse e pouquíssimas de prazer.

O que devemos ter em mente é que não conseguiremos eliminar os fatores estressores que não estão sobre nosso controle, mas podemos procurar alternativas de diminuição das fontes de estresse trabalhando a autoaceitação da exaustão, permitindo que nosso corpo responda por todas as mudanças que estamos vivendo, aceitando que todas são passageiras e que podemos não dar conta de tudo a todo momento.

Lembrar que somos imperfeitos e que se estressar é uma circunstância da vida, nos faz ter autocompaixão aceitando nossas limitações temporárias, acreditando em nossa capacidade de recuperação e melhoria.

São atitudes como estas atreladas a estratégias de alívio de estresse (veja o artigo de abril ‘Como Controle Meu Estresse’) que não permitirão o desenvolvimento da síndrome de Burnout nesta quarentena.

Espero que todos tenham, proteção e saúde.

Um grande abraço.

Luana Segato, Educadora Executiva | Professora | Palestrante | Coach Pré e Pós Síndrome de Burnout.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *