DNA DE MARCA - Nubank chama Anitta para integrar a "fintech": acerto ou erro?

Share Button

No dia 21 de junho, a Nubank anunciou que o maior ícone pop da América Latina da atualidade, a cantora Anitta, será membro do seu Conselho com a missão de ajudar a desenvolver produtos e comunicações cada vez mais focadas em empoderar as pessoas e participação em reuniões trimestrais com a diretoria para auxiliar nas decisões estratégicas sobre o futuro do negócio. (Lembrando que a cantora já é head de criatividade e inovação da marca SKOL Beats).

Desde o início de sua carreira, Anitta mostra-se uma empresária e empreendedora de sucesso, que usou sua visão estratégica para expandir sua carreira internacionalmente. A Nubank nasceu como uma pequena startup e hoje é o maior banco digital independente do mundo. Podemos concordar que Anitta e Nubank têm muito em comum, mas temos que analisar se essa ação foi uma boa escolha para a Nubank.

A expansão da carreira da cantora para o exterior é um dos motivos pelo qual o banco convidou a artista. Toda a publicidade da cantora vai ajudar a expor a imagem do banco fora do país. Além disso, o grande número de fãs e a capacidade da artista em falar com a massa também ajudará na expansão da Nubank e ao acesso a diversas marcas para gerar um cross-selling entre elas. Contudo, é preciso analisar outros pontos sobre essa decisão; o anúncio da chegada da Anitta à empresa foi uma surpresa para todos, pois a cantora não toca no assunto educação financeira em seus canais digitais, o que não mostra muita autoridade nesse assunto. Devemos lembrar que ser garota-propaganda de uma marca é totalmente diferente de fazer parte do quadro de funcionários da empresa.

Outro ponto que deve ser observado é que instituições financeiras não se posicionam politicamente por vários motivos, não é bom ter Governo como inimigo de um banco – o país está muito dividido entre esquerda e direita atualmente e se você escolher um dos lados, imediatamente você será atacado pelo outro lado, podendo sofrer um boicote. Anitta já se posicionou várias vezes contra o governo de Jair Bolsonaro e claramente essa atitude pode trazer problemas a longo prazo para a Nubank.

A atitude de chamar artistas e famosos para integrar empresas já é bem comum nos Estados Unidos e vemos essa tendência crescendo no Brasil, sendo a Anitta uma das precursoras. Na hora de escolher qual artista é interessante integrar sua empresa é necessário pontuar os prós e os contras para que a ação não se torne uma dor de cabeça futuramente.

Maria Gabriela Tosin é graduada em Relações Públicas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e especialista em Mídias Digitais pela Universidade Positivo. É criadora do blog pippoca.com, atuou como pesquisadora na área de artes e mídias digitais e no momento atua em agências de publicidade e é colaboradora em diversos blogs.