COMUNICANDO NO TERCEIRO SETOR - Quem nasceu para trabalhar em ONG?

Share Button

Todo mundo deveria – ao menos uma vez em sua trajetória – trabalhar ou prestar serviço para uma ONG ou instituição filantrópica; esta é uma experiência única e rica, tanto pessoal quanto profissionalmente.

Não é segredo que praticamente todos os setores e organizações têm dificuldades e desafios próprios, assim o terceiro setor também enfrenta seus próprios ‘demônios’. Para começar, a razão principal de seu estabelecimento é, em geral, entender, digerir e resolver algum problema. Enquanto algumas empresas partem de uma realidade mais sólida, as ONGs nascem do sentimento de ausência, seja ela relativa a direitos humanos, dignidade individual ou cuidado com bens materiais e imateriais coletivos, tais como florestas, estrutura urbana ou derretimento de calotas polares.

E solucionar defasagens certamente é mais árduo àqueles com pouco ou nenhum recurso, exigindo assim dos que encaram tais responsabilidades um certo instinto de criatividade, ou seja, fazer muito com pouco, chamar mais atenção com menos dinheiro. Infelizmente, nem sempre a criatividade é automaticamente inerente ao ser humano: Newton teve ‘a’ maçã, mas nem todos os seus dias foram de frutas. A engenhosidade, para se desenvolver, precisa ser constantemente treinada, forçada e incentivada.

Dessa forma, atuar em uma ONG pode não ser cômodo ou fácil, porém pode ser extremamente construtivo, pois o indivíduo exerce sua capacidade criativa e aprende a negociar com vários ‘outros’ em busca do alcance de um objetivo relevante, tornando-se mais humano à medida em que encara o sofrimento alheio e amplia sua humanidade por meio de uma existência positiva.

Encontrar uma organização que ‘fleche’ seu coração pode ser um caminho sem volta, já que ver o mundo além do limite dos próprios olhos e ajudar a ampliar os horizontes dos demais é o mais enriquecedor que uma pessoa pode fazer.

Larissa Maschio é jornalista formada pela UNESP e pós-graduada em Gestão da Comunicação Integrada pelo SENAC-SP. Contato: maschiolarissa@gmail.com