COMPLIANCE HUMANIZADO - Vale a pena dormir com o inimigo? Por Marcela Argollo.

Share Button

Cresci ouvindo a frase: você tem que viver “dormindo com o inimigo”. No último mês me peguei pensando, refletindo e desafiando a interpretação dessa frase.

Aprendi nos meus últimos 4 anos que para conseguirmos viver na nossa real essência e consequentemente performarmos de maneira única e de alto nível, precisamos de pertencimento e segurança psicológica. Pensar em ter um colaborador dentro da empresa ao qual você não atribui total confiança faz com que o gasto de energia mental para se blindar do que essa pessoa possa vir a fazer seja muito grande, consequentemente não canalizando energia para o crescimento da organização.

Como ensina Sun Tzu, “tenha os seus amigos perto e os inimigos mais ainda” – uma frase um tanto quanto peculiar. Sim, precisamos a nível estratégico entender a leitura do concorrente, mas não tê-lo dentro da empresa. Não há ninguém no mundo que seja insubstituível em quesitos de performance organizacional, cabe à empresa ter foco, paciência e persistência em realizar corretamente a contratação de pessoas de confiança e daí, então, investir a médio e longo prazo no desenvolvimento intelectual desses parceiros e colaboradores.

Saber que você tem ao lado pessoas que estão esperando o minuto em que você se vire para te apunhalar pelas costas faz com que trabalhemos sempre em modo de alerta. Este modo mental na psique é utilizado apenas para sobrevivermos. Vimos que nesta Era do capitalismo consciente precisamos viver nossa real essência e conseguir usar da nossa criatividade para inovarmos sempre. Para isso acontecer precisamos, então, estar inseridos em um ambiente propício, com pessoas te incentivando sempre, felizes por todas as vitórias porque, afinal de contas, a vitória de um colaborador é a vitória da empresa como um todo, já que o objetivo em comum é o laço com o qual se tem vínculo e conexão entre pessoas.

Por isso o trabalho de cultura organizacional – bem como a escolha dos valores e princípios da empresa – são primordiais para que se estabeleça um norteamento de perfil de contratações, afinal valores e princípios são virtudes não negociáveis e quanto mais congruência entre os valores da empresa e os valores dos colaboradores, maior pertencimento e segurança psicológica a empresa passará resultando, portanto, em uma melhor performance dos seus colaboradores, chegando à tão esperada excelência em resultados.

Porém, para que essa equação aconteça são necessários alguns itens tais como:

– Relação ética e de transparência
– Bom trabalho de perfil de contratação (saber qual perfil se quer contratar)
– Desenvolvimento da liderança
– Investimento em educação contínua de todos os colaboradores

Para que uma organização prospere é preciso gerar um ambiente com princípios éticos e sólidos, alinhamento de valores, aceitação à vulnerabilidade e comunicação transparente. Para se ter uma organização próspera é necessário focar em uma governança corporativa de excelência!

Marcela Argollo é formada em Administração de Empresas e Ciências Contábeis com MBA em Finanças e Compliance. Professora EAD da Fundação Getulio Vargas (FGV) para as disciplinas de Compliance, Controladoria, Planejamento e Liderança Estratégica. Coordenadora EAD da Brain Business School.