Como planejar a rotina das crianças - e ensiná-las gestão do tempo e planejamento estratégico. Por Viviane Cupello.

Share Button

‘Mãe, já risquei a primeira parte das tarefas!’.

Essa vivência de pandemia nos trouxe realidades distintas, vivências inimagináveis e necessidades inesperadas.

Na área de educação, escolas fecharam as portas, professores se reinventaram da noite para o dia, o quadro da sala virou uma tela de celular, de tablet ou de notebook, e as aulas on-line tornaram-se um desafio para adultos, crianças (principalmente) e adolescentes.

Logo que esse cenário começou, eu, meu marido e minha filha conversamos sobre a nova organização da casa e, como tudo mudava a todo momento, replanejamentos foram necessários.

Junto com a minha pequena, fui montando a rotina e, enquanto ela me sinalizava suas dificuldades, fui propondo estratégias que cabiam na nossa estrutura. Juntas, decidimos a hora mais confortável para acordar, fazer os deveres de casa e brincar. Como ela sabia que após as aulas on-line não haveria mais pendências, ficaria livre para brincar e ver seus desenhos preferidos.

Ao dormir, escolheu um relógio da casa para usar como recurso e colocou o quadro com o planejamento pertinho da cama, num local onde pudesse ver logo ao acordar. Feito isso, despertou toda animada, riscando as tarefas conforme ia executando. No final do dia, revimos tudo e avaliamos o que funcionou e o que precisaria ser adaptado. Isso facilitou toda a família!

Esse planejamento auxilia a criança em sua organização, na gestão do tempo e das emoções, na autonomia e na autoconfiança, além de também exercitar a leitura e a escrita. Afinal, foi a pequena que me ajudou a decidir o que e como escrever (nesses casos, a simbologia criada pela própria criança é um exemplo de letramento que auxilia bastante o seu processo de alfabetização).

Estipular um horário para cada tarefa diária capacita o indivíduo a entender sua gestão, as consequências do não planejamento prévio e os benefícios da ‘sobra’ dele, quando se findam todas as obrigações. Ainda que a criança não saiba ler os números e mensurar a duração da hora, o relógio digital facilita muito essa visualização. No início da atividade (qualquer que seja: tomar banho, ver um desenho ou filme, guardar os brinquedos, se arrumar para ir a uma festa, preparar a mesa para a refeição, recolher o lixo, regar as plantas, estudar ou fazer um exercício da escola) mostre a ela os números que aparecem no relógio e informe quais deverão aparecer ao final da tarefa. Isso ajudará muito na construção temporal e no gerenciamento desse tempo.

O planejamento é uma capacidade cognitiva fundamental que faz parte das funções executivas e um exercício importante para desenvolvimento dessas habilidades é a organização do dia, planejando as tarefas, elencando prioridades. A gestão do tempo também é fator base quando gerenciamos nossas essencialidades.

Um planejamento estratégico é uma ferramenta de gestão que tem o propósito de ajudar a fazer um trabalho melhor, porque nele se concentram a energia, os recursos e tempo em direção ao objetivo. Essas funções executivas devem ser estimuladas desde a infância, sendo aprimoradas de acordo com a faixa etária.

E isso é o desenvolvimento humano na educação que favorecerá, também, a vida adulta pessoal e corporativa dessa criança e desse adolescente no futuro.

Viviane Cupello é amante da Educação, das Artes e de Pessoas. É professora e pedagoga, especialista em Gestão Escolar e em formação na Gestão de Pessoas. Estudou teatro, sempre foi apaixonada pela escrita, escreve poemas no canal ‘Poetizei Poetizamos’ e tem como um dos propósitos de vida o trabalho social. Atua na Educação há 20 anos: é alfabetizadora, lecionou em turmas da Educação Infantil e Ensino Fundamental I, coordenou o turno Integral e ministrou cursos de Escolarização, Atualização e de Formação para adultos. Fundadora da CAPAS – Ações para Educação, acredita no desenvolvimento humano por meio da Educação.