Como inovar no jeito de fazer marketing? Por Daniella C. Gandra.

Share Button

Desde que concluí meu MBA na área, aprendi que inovação supera o entendimento de a tecnologia integrá-la. Mas, ainda assim, é comum perceber por aí termos relacionados a aparatos tecnológicos para definir o que vem a ser inovação.

Eu já prefiro pensar que inovação tem a ver com ideias. Para facilitar a compreensão do que quero transmitir aqui, podemos imaginar um marketing inovador quando transformamos alguma ação, como o modo de interagir com clientes.

Inovar no jeito de fazer marketing não é notar o que a concorrência anda prometendo ou produzindo e tentar fazer o mesmo antes dela, mas focar no que viemos repetindo sem uma expressividade que nos inunde de insights e resultados únicos, além do convencional, além da cartilha, entende?

Outra coisa que geralmente as pessoas confundem com inovação é popularidade. Por exemplo, existe muita gente inovando com produtos e serviços sem estes estarem entre os mais vistos, mais queridinhos e consumidos.

Só que para entender como adotar inovação no marketing, é bom recapitular o real significado dessa área de atuação.

A essência do marketing é facilitar os processos de troca entre oferta e demanda, empresa e cliente, produtor e fornecedor e assim por diante. Logo, o que importa quando pensamos em inovação relacionada a isso, é encontrarmos vácuos a serem preenchidos.

E como a função do marketing é observar e analisar as tendências do(s) mercado(s) e do comportamento do consumidor, fundamental é reconhecer quais necessidades e desejos estão à deriva em nossa sociedade para então achar meios de satisfazê-los.

Posto isso, o bacana é repensar em como usar os dados e informações do mercado e do cliente para criar uma maneira nova de fazer as coisas que todo mundo anda fazendo, só que de um jeito diferente e mais fácil, dinamizando o tempo.

Agora vamos refletir sobre uma experiência inovadora já adotada por alguns marqueteiros que elimina a divergência entre o universo on-line e o off-line, conhecido como phidigital.

Uma das estratégias desse tipo de inovação no modus operandi de fazer marketing é mapear a atenção do potencial cliente e daquele com quem já existe um relacionamento.

Mas, afinal, como isso é feito? Mapear a atenção de quem interage com a equipe de marketing dentro do conceito de phidigital é reunir o que já se vem fazendo com algum ingrediente novo, aumentando a percepção de valor do negócio.

Como estamos nos aproximando do Natal, embora haja pessoas que não o celebrem por “n” razões, uma ideia inovadora e alinhada ao phidigital seria uma dada empresa varejista que venda artefatos natalinos em loja física, adicionar vídeos em sua página no Instagram e/ou no YouTube fornecendo dicas para enfeitar ou decorar ambientes da casa, do escritório, a própria árvore de Natal.

Assim, quando alguém fosse até o estabelecimento para comprar adornos já acessaria pelo celular mesmo a página da marca e obteria ideias para abrilhantar seu Natal, como também o contrário; alguém que acessasse primeiro a página da empresa e se interessasse por um espaço decorativo e quisesse imitar, depois fosse pessoalmente na loja para realizar uma compra ou simplesmente encomendasse, recebendo na própria casa.

Isso é inovação, é um jeito inovador de fazer marketing.

Daniella C. Gandra é professora, redatora, revisora e especialista em comunicação, marketing e em educação a distância. Produz conteúdos educativos e corporativos e presta tutoria de marketing no curso técnico de agronegócio do SENAR.