Como as novas gerações consomem notícias.

Share Button

Deu no Meio & Mensagem (05/02/2020), na matéria de Bárbara Sacchitiello:

Estudo global da Comscore mostra que os mais jovens estão se informando pelas redes sociais e não querem pagar para acessar conteúdo.

LINK – https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2020/02/05/como-as-novas-geracoes-consomem-noticias.html?adtagid=3100901FDA33D6194B71D76BAAC41848&utm_term=Como+as+novas+geracoes+consomem+noticias&utm_campaign=Meio+%26+Mensagem+News&utm_source=e-goi&utm_medium=email

COMENTÁRIO

A ‘cultura’ da gratuidade completou 21 anos. Está, pois, emancipada. Viva! Só que não…

Na crise do emprego industrial – e mesmo do comercial (as vendas on-line já ultrapassaram as vendas em lojas físicas) – cada vez mais se valoriza o serviço, a criação, a e chamada economia criativa. Ou seja, gente. E o produto de algum trabalho intelectual (ou manual, artesanal), individual ou coletivo.

OK. Mas… valoriza-se como? Dando tapinhas nas costas? Emitindo um ‘valeu!’? Se for só este o ‘valor’ do ‘serviço’, o ‘pós-venda’ (para usar um termo antigo, de um tal de Marketing) não se dará… pois o ‘produtor’ do mesmo terá morrido de fome quando o ‘cliente’ voltar ao ‘ponto-de-venda’ (olha os termos do velho Marketing aí de novo!).

Encruzilhada civilizacional: como – a um – obter retorno que se transforme em sua própria subsistência (antigamente a isto se dava o nome de trabalho remunerado) se o outro nada paga?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *