O sorriso de um olhar. Por Danúbia Françoise.

Share Button

A atual pandemia causada pelo novo coronavírus tem deixado vários aprendizados para todos nós. Um deles que eu destacaria, que muito tem chamado a minha atenção, é a capacidade de interpretar a leitura dos olhares. O uso frequente das máscaras tem criado a necessidade de aprendermos ou aprimorarmos esse sentido.

Um dia desses, ao ser fotografada, eu queria mostrar a minha gratidão e alegria em um determinado momento, mas o uso da máscara escondia o meu sorriso. Foi aí que, por alguns segundos, eu pensei: ‘mas como as pessoas vão ver que estou sorrindo?’.

Instantaneamente, eu lembrei que meu sorriso não estaria escondido, ele apenas estava tampado por um pedaço de tecido. As pessoas poderiam percebê-lo em meu olhar.

E, se pararmos para pensar, o verdadeiro sorriso não está mesmo estampado no olhar? Mais do que nos fazer enxergar, esse órgão traduz várias sensibilidades. Quem nunca teve um amor à primeira vista por alguém ou até por algum objeto de desejo? Várias vezes eu já me encantei por algumas paisagens só de olhar a imagem em uma revista ou na TV e logo me batia uma vontade imensa de me transportar para aquele lugar. Dizem por aí que a gente come com os olhos, o pecado da gula que nos diga. Mas, e se a comida não foi feita com tanto esmero? Alguns acreditam fielmente que ‘o que os olhos não vêem, o coração não sente’. E, assim, evitamos vários desgostos.

Quem nunca deu aquela olhadinha na prova do colega na escola? Nem que seja só para confirmar se a resposta estava certa (ahã, sei!).

Desde pequena eu já entendia os olhares da minha mãe, tanto na hora da braveza, com sua expressão de xingamento, como na confissão que deixava transbordar todo o seu amor.

São tantas as formas e os lugares para onde podemos olhar. Então vamos olhar mais, olhar o nosso espaço, os nossos parentes, amigos, desconhecidos e, quando retirarmos nossas máscaras, que possamos intensificar a ternura e o brilho dos nossos olhares. Esse sentido, que vai além de um órgão, tem um poder mágico e encantador!

Danúbia Françoise é bacharela em Jornalismo pela PUC Minas, licenciada em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-graduada em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas, também pela UFMG. Atua na área da comunicação, da educação, e possui diversas experiências profissionais em assessoria, sala de aula, jornal impresso, mídias sociais, em coordenação de curso, além de ser revisora, locutora e mestre de cerimônias.