Conheça os 4 principais tipos de 'spyware' e mantenha seu dispositivo protegido. Por Felipe Migliani.

Share Button

No meu último texto, que você pode ler aqui, tratei dos 7 principais códigos maliciosos e 14 hábitos básicos de prevenção. Hoje, irei aprofundar sobre os quatro principais tipos de spyware. Mas antes de explicar cada um, vamos relembrar o que é spyware: este é o nome dado aos programas de computador que são responsáveis por monitorar as atividades de um sistema para coletar informações e enviá-las a terceiros.

Embora seja mais comum o uso desses programas de forma maliciosa, spyware pode ser usado de forma legítima, se instalado com o conhecimento e o consentimento do usuário. Quando usados de forma maliciosa são programas espiões que podem comprometer a privacidade do usuário e a segurança do seu dispositivo. Os quatro principais tipos são: Adware, Keylogger, Scareware e Screenlogger.

Entenda:

Adware: são programas desenvolvidos para apresentar propaganda. Também conhecidos como Advertising Software, são classificados como spywares quando usados de forma maliciosa, monitorando a navegação dos usuários, especialmente sem seu consentimento, para direcionar determinada propaganda. Atualmente, estão sendo usados de forma legítima, incorporados por programas livres com intuito de patrocinar seus desenvolvedores ou prestadores de serviços gratuitos.

Keylogger: é um programa capaz de capturar e armazenar as teclas digitadas pelo usuário do computador onde está instalado. Seu uso mal-intencionado quase sempre visa à coleta de informações importantes dos usuários para serem usadas por terceiros.

Scareware: tem o objetivo de causar ansiedade ou medo aos usuários tentando convencê-los a executar alguma ação, como acessar alguma página web ou baixar algum aplicativo. Muitas vezes pode ser classificado como um Adware, tendo como função a aquisição comercial de algum produto. A ação maliciosa mais comum que usa o scareware é o bombardeio de avisos ao usuário de que seu computador está infectado, sugerindo que sejam baixados programas falsos de antivírus ou antispyware específicos para que o computador seja protegido.

Screenlogger: é um estágio mais avançado que o keylogger, pois permite armazenar a posição do cursor e a tela apresentada no monitor nos momentos em que o usuário executa um clique com o mouse ou a região que circunda o cursor do mouse quando ele é clicado. Muito utilizado para capturar senhas em teclados virtuais utilizados, por exemplo, em sites de Internet Banking.

Como se proteger do spyware?

Basta fazer o download de um programa antispyware, mantê-lo atualizado e realizar varreduras semanais. Na matéria anterior, sugeri 14 conceitos básicos de prevenção. Todos servem para proteger seu dispositivo do spyware. Relembre:

– Solicitar e permitir que uma entidade (pessoa, empresa ou programa de computador) se identifique;

– Verificar a veracidade da identificação da entidade;

– Determinar quais ações a entidade pode executar;

– Manter a integridade e a confidencialidade das informações e recursos;

– Manter o sistema operacional e os demais programas sempre atualizados;

– Instalar e manter atualizados bons programas de antivírus e antispyware;

– Manter ativo e bem configurado o firewall de seu sistema operacional, ou outro firewall instalado;

– Navegar com segurança pela internet, tomando medidas como não clicar em links suspeitos ou de sites desconhecidos, realizar logout quando terminar de usar uma página web e verificar a procedência dos sites antes de se cadastrar;

– Verificar a procedência dos modos de seguranças de sites bancários que irá instalar;

– Seguir as instruções de segurança presentes no site do banco;

– Só utilizar computadores confiáveis para logar os sites bancários, isto é, não usar, em hipótese alguma, computadores públicos ou desconhecidos ou redes wi-fi públicas para esse fim;

– Digitar sempre manualmente a URL do banco no navegador;

– Nunca abrir arquivos ou clicar em links enviados por e-mail dizendo ser do seu banco;

– Ter cuidado com os downloads, e-mails recebidos, informações divulgadas, senhas etc.

Felipe Migliani é formado em Jornalismo pela Unicarioca e cursa pós-graduação de Jornalismo Investigativo na Faculdade Unyleya. Trabalha com jornalismo independente e investigativo. É, também, microempreendedor, prestando serviços de assessoria, marketing digital e produção de conteúdo.