Cadê a cultura que estava aqui? A cidadania comeu! Por Patricia França.

Share Button

Muitas pessoas questionam a relação entre cultura, educação e cidadania. É a cultura que gera a educação, é a educação que fomenta a cultura ou é a cidadania que proporciona a cultura?

Percebemos que no decorrer dos anos a visão de educação vem sendo adaptada em função da mudança comportamental da sociedade que é influenciada diretamente pelas questões políticas, sociais, econômicas e culturais. Segundo o educador Paulo Freire (2003) no texto ‘Desafios da educação de adultos ante a nova reestruturação tecnológica’, ‘a educação é sempre uma certa teoria do conhecimento posta em prática […]’. Carlos Rodrigues Brandão na sua obra ‘O que é educação’ (1985), complementa que educação é todo conhecimento adquirido com a vivência em sociedade, independentemente de qual seja ela.

E a cultura? Essa abrange hábitos, comportamentos, valores morais, crenças que se misturam e se movimentam através de sotaques, conexões, experiências vivenciadas, que acontecem a todo momento pelo intercâmbio da inovação tecnológica que se multiplica e viraliza na nossa sociedade potencializando a propagação das informações com a chancela cultural dos novos tempos.

Já a palavra ‘cidadania’ tem origem etimológica do Latim. O radical ‘civitas’ significa ‘cidade’. Para José Murilo de Carvalho, em seu livro ‘Cidadania no Brasil: o longo caminho’ (2008), a cidadania seria a coexistência dos direitos civis, políticos e sociais dentro de uma sociedade, e, segundo ele, sem esses pilares não é possível uma plenitude do conceito.

Mas onde esses conceitos se encontram? Na verdade, estão todos no mesmo ‘balaio’. Se é de gato ou não, temos que analisar! Mas uma coisa podemos afirmar; um interage com o outro o tempo todo. Para sermos considerados cidadãos devemos não só cumprir nossos deveres, mas gozar de todos os direitos oferecidos, dentre eles cultura e educação, que andam de mãos dadas. Juridicamente falando, podemos nos pautar na Constituição, que nos seus artigos 206, 208 e 209 trata claramente sobre o direito do cidadão à educação. Já nos artigos 215 e 216, a Carta garante e identifica os bens culturais respectivamente.

Dessa forma, concluímos que cultura, educação e cidadania são indissociáveis. A educação permite a interação com a cultura que nos rodeia, sobretudo nesse cenário globalizado atual, onde nos tornamos cidadãos do mundo em um só clique.

Patricia França é jornalista e publicitária formada pela PUC-Rio. Atualmente atua como assessora de imprensa de uma grande instituição museal.