Brasileiro é 'bonzinho'... Por Lucila Komolibus.

Share Button

2021 cheio de novas possibilidades. É o nosso sonho. De nós, brasileiros. E escrevo sonho com propriedade. Depois de um 2020 atípico em função da pandemia mundial, além de lidar com isso, ainda tivemos que lidar com um país dividido e desgovernado.

Isto me fez lembrar um programa humorístico em que a atriz Kate Lyra, depois de alguma citação econômica ou política sobre o Brasil, terminava a cena com o jargão: – Ah… mas o brasileiro é bonzinho

Sinceramente, não me agrada a luta de corpos, de armas. Acho que, com inteligência, sempre podemos lutar de outras maneiras. Mas a passividade com as crises crescentes da educação, dos valores, da sociedade como um todo e, agora com mais ênfase, da saúde, com brasileiros de todos os estados morrendo como moscas, realmente me assusta. Chegamos ao fundo do poço. E pensar que o brasileiro, com sua garra e força, tem todas as condições de ser uma grande nação mas desconhece seu potencial.

Precisamos acordar e nos unir enquanto nação. Se a religião, os costumes, a cultura, a política, as raças e a economia nos subdividem, vamos nos unir no amor. O amor é universal e incrivelmente poderoso. Ele nos faz fortes, nos faz sermos reconhecidos e respeitados. No amor fraternal pelo próximo nos espelhamos, nos reconhecemos.

O povo brasileiro já demonstrou e ainda demonstra isso quando se solidariza em prol dos irmãos mais carentes.

Se considerarmos que os realmente ricos e poderosos não representam 10% da população, nós fazemos parte dos 90% restantes. E isso não é pouca coisa. Podemos muito mais do que imaginamos.

90% unidos podem muito. Podemos ter melhores condições de saúde e de educação, afinal somos o povo que paga mais impostos no mundo. Podemos decidir quem irá nos representar, para isso temos que contar com a educação (sim, isto ainda demanda tempo) e, por isso mesmo, a educação está sendo destruída, para pensarmos e entendermos menos.

Juntos somos muito poderosos.

Para começar, vamos nos unir. Nos unir no amor que nos fez uns iguais aos outros. E vamos nos ajudar uns aos outros.

O povo brasileiro pode até ser bonzinho, mas deve sê-lo com conhecimento de causa. E não para ser enganado, ludibriado.

Merecemos ser reconhecidos com o valor que temos. Vamos nos unir no amor. O amor de sermos iguais, de recebermos dos governantes o mesmo que temos dado de nós. Chega de migalhas. Migalhas na educação, migalhas na saúde e… milhões em impostos a pagar.

Lucila Komolibus é publicitária e sócia-diretora da Mediterrânea Propaganda e Marketing Integrado.