A redenção do jornalismo. Por André Zenobini.

Share Button

Não adianta, às vezes precisamos de situações críticas para reconhecer situações que estão claras em nossa frente, mas usamos todos os artifícios para não enxergar. Massacrado nos últimos anos, principalmente desde o dia 1º. de janeiro de 2019, o jornalismo vive um momento de redenção. O próprio acusador foi obrigado a assinar um decreto colocando a imprensa como um serviço essencial.

O trabalho da imprensa desde o início da chegada do COVID-19 ao Brasil tem sido exemplar. Foi a imprensa que colocou os governantes em alerta pois até então o assunto estava sendo tratado em segundo plano por muitos. Ainda sim, parece que o Governo Federal ainda não acordou por completo e o próprio presidente atrapalha aqueles que estão tentando trabalhar pelo bem da população.

Ao assinar o decreto 10.288 neste dia 22 de março, Bolsonaro não se desculpa com a imprensa por todos os ataques proferidos desde que tomou posse como Presidente da República. Mas, com certeza, para aquele que diz que o jornalismo tradicional irá morrer, assiná-lo deve ter sido um ato doloroso.

Para a população que apoiava esse tipo de atitude, agora passa a ver a séria importância do papel do jornalismo e do jornalista – este arriscando-se para levar a informação precisa, a preocupação e, principalmente, o que as pessoas precisam fazer para não serem contaminadas.

Cabe ressaltar o papel da Rede Globo nesse processo. Não sei quem foi o responsável por entender a gravidade da situação. A emissora derrubou a sua grade de programação, criou um programa do dia para a noite e movimentou o país. Foi a Globo e não o Governo que alertou a população. Não fosse isso, teríamos uma curva de contaminação muito maior do que estamos tendo.

Portanto, na segunda-feira após o decreto que torna a imprensa como essencial nos momentos de crise, podemos dizer que houve uma redenção. Torturada nos últimos anos, é nesse momento que a informação séria, de qualidade e atualizada, é lembrada pelo seu real valor. Viva a imprensa, viva o jornalismo. Ele também ajuda a salvar vidas.

André Zenobini é jornalista, proprietário da AZ Comunicação e Assessor de Comunicação da Superintendência dos Portos do Rio Grande do Sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *