Reforma político-eleitoral - de verdade - já!

Share Button

i10

Porque a ‘minirreforma’ aprovada pelo Congresso Nacional em consequência das manifestações de junho de 2013 conseguiu – a nosso ver – piorar ainda mais o já péssimo sistema eleitoral do país, como está descrito em matéria d’O Globo de hoje (por Fernanda Krakovics e Silvia Amorim), à página 4, intitulada ‘Minirreforma eleitoral afrouxou regras para a pré-campanha’.

LINK – http://oglobo.globo.com/brasil/minirreforma-eleitoral-afrouxou-regras-para-pre-campanha-19733833

Uma boa notícia

A pesquisa OCI intitulada ‘Leitura Informal do Discurso Institucional dos Partidos Políticos Brasileiros’, foi – finalmente – publicada em papel pelo jornal mensal ‘Toda Palavra’, de Niterói, na edição que começa a circular hoje. Este era o nosso intento, agora concretizado, por ser o infográfico resultante da pesquisa (vide imagem), a melhor forma de compreender seus preocupantes achados. Agradecemos a sensibilidade do editor Luiz Erthal para a relevância de se colocar numa folha de papel, lado a lado as 32 siglas partidárias brasileiras, o que o TSE não faz.

Os professores-doutores Carol Terra (ECA-USP) e Cristiano Henrique (ECO-UFRJ) referendaram as conclusões da pesquisa, a qual está atualíssima porque (A) dados sobre os 32 partidos hoje no Congresso Nacional foram levantados, e (B) o momento político atual confirma as hipóteses da pesquisa, qual sejam: (1) Todos os partidos comunicam-se mal com a cidadania, e (2) Os partidos, todos, não se distinguem uns dos outros perante o eleitorado, o que fundamenta a necessidade de total reforma do sistema político-eleitoral do país – um consenso nacional.

Outro dado: a pesquisa coloca a análise feita por nós no mesmo patamar daquelas empreendidas por antropólogos, cientistas políticos, marketeers e sociólogos. Consideramos, aqui no OCI, que comunicólogos têm sido alijados dos debates de fundo no país, reservando-nos, a mídia, lugar na periferia das decisões de Estado e de Economia, e pautando-nos apenas para tratar de questões periféricas às decisões políticas e de negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *