"Nota" inova e "quarteiriza" pedido de desculpas do presidente do STF à imprensa!

Share Button

Agora a nota “quarteiriza” a fonte…

Como se já não bastassem os exemplos que este OCI tem trazido à tona sobre o jornalismo de assessoria que grassa entre nós, no Brasil, agora surge uma inovação (palavra da moda): a “quarteirização” da fonte.
É mais ou menos assim: a fonte “a” disse “z” – o que muito incomodou “x” e seus pares. Diante do “estrago”, “b”, assessor de “a”, um terceirizado, resolve – e nunca saberemos se de acordo com “a” ou não – “soltar uma nota” (chronica inflationes) desmentindo o ocorrido, mas assinando em seu próprio nome (“b”) e não da fonte que representa, “a”. Uma “quarteirização” enviesada.

Credibilidade pública (o que é isso?)

Então estamos combinados assim: “b” é bom moço e desdiz o que quem realmente interessa disse. E fica o dito pelo não dito, pois “b” tem credibilidade – e acesso (ou será só acesso?) aos media e consegue publicar a sua versão do fato, sendo “tido como” representante “direto” da fonte. E, então, como num passe de mágica, a realidade muda, e “a”, que nunca se arrependeu ou se desculpou, fica “bem na foto” (impressa, falada, televisada, internatizada). E ponto.
Ótimo – e prático! – jornalismo esse, de nota e fim de papo.

O Observatório da Comunicação Institucional adverte: jornalismo de notas faz mal à saúde da cidadania.

Saiba mais:

Fato (como noticiado n’O Globo de 06/03/2013): o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, recomendou que um repórter do jornal “O Estado de S. Paulo” fosse “chafurdar no lixo”. Em seguida, o chamou de “palhaço”.

A quarteirização das desculpas: na nota divulgada, o secretário de comunicação do STF pediu desculpas e disse que o comportamento de Barbosa era isolado, pois ele teria um relacionamento positivo com a imprensa como padrão. “Em nome do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, peço desculpas aos profissionais de imprensa pelo episódio ocorrido hoje, quando após longa sessão do Conselho Nacional de Justiça, o presidente, tomado pelo cansaço e por fortes dores, respondeu de forma ríspida à abordagem feita por um repórter. Trata-se de episódio isolado que não condiz com o histórico de relacionamento do ministro com a imprensa”, diz [sic] a nota.

COMENTÁRIO DO OCI – Marcondes Neto

OK, vocês venceram! O ministro é uma seda, sempre foi uma seda e será sempre uma seda. Aconteceu rigorosamente nada e por isso o ministro não tem do quê se desculpar. Só eu, secretário de comunicação, que estou pedindo desculpas, talvez, por… existir.

Uma resposta para “"Nota" inova e "quarteiriza" pedido de desculpas do presidente do STF à imprensa!”

  1. O ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, declarou anteontem que “não há mais ‘interlocutor’ entre o Estadão e a Corte”. Ou seja, “suas” desculpas foram mesmo “fake” e ele continua “mordido” com o repórter d’OESP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *