Carlos Brickmann no OCI, 29/09/2014.

Share Button

Boazinha, com o pescoço dos outros.

Dilma é mulher e sempre se disse defensora dos direitos humanos. Como a advogada Samira Saleh al-Naimi, de Mosul, Iraque. Dilma propõe diálogo com o Estado Islâmico, que corta a cabeça de pessoas de outras religiões e trata as mulheres como inferiores. Samira foi assassinada agora pelo Estado Islâmico por defender os direitos humanos. Dilma condenou, em Nova York, quem luta contra o Estado Islâmico. E nem tocou no nome de Samira, vítima da barbárie.

Dilma defendeu os bárbaros, criticou quem luta contra eles e proclamou as excelsas virtudes que enxerga em seu Governo, ao viajar a Nova York para abrir a Assembléia Geral da ONU – tarefa que tradicionalmente cabe ao Brasil. Lá havia 150 chefes de Estado. No entanto, relata o jornal americano Washington Post, a reunião de cúpula da organização beneficente Clinton Global Initiative, organizada pelo ex-presidente americano Bill Clinton, “ofuscou o encontro da ONU”. Pergunta o jornal, um dos três mais importantes dos Estados Unidos: “A qual evento você preferiria ir: a um que começa com Leonardo Di Caprio, Eva Longoria e uma banda de rock, ou a um que começa com a presidente brasileira Dilma Rousseff?” Ainda bem que a repercussão foi pequena. Menos vergonhosa.

A má repercussão foi mais forte no Brasil. Tirando os bate-bumbos que acham lindo ser Tiradentes com o pescoço dos outros, Dilma foi muito criticada. Mas não há o que estranhar: a julgar por boa parte dos ministros e auxiliares que escolheu, a presidente não deve acreditar que cabeça seja muito importante.

Fogo alto

A briga é feia entre Dilma e Marina. Uma está chamando a outra de petista.

Quem te viu…

O ex-presidente Lula, tentando salvar a reeleição do governador Tarso Genro, à beira da derrota para a jornalista Ana Amélia Lemos, disse no horário eleitoral gratuito do Rio Grande do Sul que nunca viu um jornalista se sair bem num cargo do Poder Executivo. A senadora Ana Amélia, do PP (que lá é pró-Aécio), trabalhou na revista Visão e foi uma das estrelas da RBS, afiliada à Rede Globo.

…quem te vê

Lula pode até ter razão. Mas levou para seu Governo, como ministros, o ex-repórter Édison Lobão e o repórter e apresentador Hélio Costa (que tentou eleger governador de Minas). Apoiou o jornalista Eduardo Suplicy para a Prefeitura e o Governo de São Paulo. Apoia um dono de jornal, Henrique Alves, para o Governo do Rio Grande do Norte. Seu vice, em 1989, foi o jornalista Fernando Gabeira, ex-Jornal do Brasil; com a saída de Gabeira, a vice ficou com João Paulo Bisol, ex-RBS. Sarney, seu guru, é dono da TV Mirante e do Estado do Maranhão.

Pois é

O jornalista Elio Gaspari informa que Dilma usa Louis Vuitton. É mala.

Pois pois

Elio Gaspari informa também que Aécio usa Salvatore Ferragamo. Digamos que esses candidatos não têm as mesmas preocupações dos cidadãos comuns.

Sugestão de pauta

Não é só o presidente venezuelano Nicolás Maduro que conversa com animais. Um passarinho piou a este colunista a sugestão de que alguém pergunte à irmã da ministra Marta Suplicy, Tetê Smith de Vasconcellos, em quem é que vai votar para presidente. Deve ser Dilma, claro. Mas passarinhos sabem o que piam.

Fumaça de los puros

Boteco é para os fracos. Mas existe um substituto perfeito para aquela fraternal convivência de boteco, só que com preços bem mais altos para bebidas e petiscos da mesma qualidade. Como é bom cultivar a tolerância! Há um ministro do Supremo que frequenta a mesma tabacaria em São Paulo, na elegante região dos Jardins, utilizada por boa parte dos investigados na Operação Lava Jato.

Hermanos, irmãos

Com um dia de intervalo, Brasil e Argentina implantaram mais um controle de passageiros de voos internacionais, com exigências parecidíssimas. As empresas aéreas têm de informar ao Governo a frequência com que o passageiro viaja, e até mesmo a poltrona que ocupa no voo.

Coincidência, não é mesmo?

Cavalos dele…

Roberto Requião, candidato do PMDB ao Governo do Paraná, em seu mandato anterior (de 2003 a 2010) colocou 88 de seus cavalos na Granja Canguiri, residência oficial do governador; lá, eles eram alimentados e tratados por conta dos cofres públicos. O Regimento da Polícia Montada da PM do Paraná precisou destacar seis soldados para cuidar da cavalhada. Todos esses dados constam do relatório final de um inquérito policial-militar, assinado pelo comandante da PM paranaense, coronel César Vinícius Kogut, e divulgado pela Folha de S.Paulo. O IPM foi encaminhado à promotora Cláudia Cristina Madalozo e à Justiça Militar.

…dinheiro nosso

De acordo com o IPM, Requião mantinha os cavalos para passeios matinais com amigos. Mantinha também no local, sempre à custa do dinheiro público, antas, cachorros, porcos, pavões e veados.

E os burros aqui pagavam a conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *